ISTOÉ Gente

Chico Buarque, padre Júlio Lancelloti e outras personalidades assinam manifesto contra Bolsonaro

Crédito: AFP

Jair Bolsonaro (Crédito: AFP)

Muitos famosos usam suas redes sociais para se posicionar e mostrar que são contra as atitudes do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, (sem partido). Desta vez, celebridades como o cantor e compositor Chico Buarque, o padre Júlio Lancelloti, o teólogo Leonardo Boff, entre outras personalidades, como atores, atletas, economistas, religiosos e jornalistas, resolveram assinar um manifesto chamado ‘Vida acima de tudo”, que  pede a condenação da política genocida do governo Bolsonaro.

Em alguns trechos do documento está em destaque o intencional colapso do sistema de saúde, o descaso com a vacinação e com as medidas básicas de prevenção, a total ausência de uma política sanitária, além de um pedido ao Tribunal Penal Internacional (TPI) a condenação da política genocida desse governo que ameaça a civilização.


Vale ressaltar que toda essa manifestação contra o chefe de Estado se refere ao comportamento negativo dele diante da pandemia do novo coronavírus. Bolsonaro chamou a doença de ‘gripezinha, não incentiva e não usa máscara de proteção contra a doença, provocou aglomerações, não concorda com o isolamento social e lockdown, entre outras atitudes polêmicas de uma autoridade se comportar.

Leia o manifesto na íntegra:

“MANIFESTO VIDA ACIMA DE TUDO

CARTA ABERTA À HUMANIDADE

“Vivemos tempos sombrios, onde as piores pessoas perderam o medo e as melhores perderam a esperança.” Hannah Arendt

O Brasil grita por socorro.

Brasileiras e brasileiros comprometidos com a vida estão reféns do genocida Jair Bolsonaro, que ocupa a presidência do Brasil junto a uma gangue de fanáticos movidos pela irracionalidade fascista.

Esse homem sem humanidade nega a ciência, a vida, a proteção ao meio ambiente e a compaixão. O ódio ao outro é sua razão no exercício do poder.

O Brasil hoje sofre com o intencional colapso do sistema de saúde. O descaso com a vacinação e com as medidas básicas de prevenção, o estímulo à aglomeração e à quebra do confinamento, aliados à total ausência de uma política sanitária, criam o ambiente ideal para novas mutações do vírus e colocam em risco os países vizinhos e toda a humanidade. Assistimos horrorizados ao extermínio sistemático de nossa população, sobretudo dos pobres, quilombolas e indígenas.

O monstruoso governo genocida de Bolsonaro deixou de ser apenas uma ameaça para o Brasil para se tornar uma ameaça global.

Apelamos às instâncias nacionais – STF, OAB, Congresso Nacional, CNBB – e às Nações Unidas. Pedimos urgência ao Tribunal Penal Internacional (TPI) na condenação da política genocida desse governo que ameaça a civilização.

Vida acima de tudo.”