Mundo

Charge de jornal dinamarquês sobre coronavírus irrita China

Charge de jornal dinamarquês sobre coronavírus irrita China

Charge sobre coronavírus na China publicada pelo jornal 'Jyllands Posten', em 27 de janeiro de 2020 - Ritzau Scanpix/AFP

O jornal dinamarquês “Jyllands Posten” se negou, nesta terça-feira (28), a pedir desculpas à China pela publicação de uma charge do coronavírus, o que provocou a ira da embaixada da China em Copenhague.

Publicada na segunda-feira nas páginas do jornal escandinavo e assinada por Niels Bo Bojesen, a charge mostra uma bandeira chinesa e, no lugar das tradicionais estrelas amarelas na parte superior esquerda, há desenhos do novo coronavírus.

Em sua página on-line, a embaixada da China na Dinamarca classificou a charge de “insulto à China, que fere o povo chinês”.

Segundo as autoridades chinesas em Copenhague, o desenho superou o “limite ético da liberdade de expressão”. A embaixada exigiu do jornal e de seu cartunista “uma desculpa pública ao povo chinês”.

“Não podemos nos desculpar por algo que não achamos que está errado. Não temos a intenção de humilhar, nem de brincar, e não acreditamos que o desenho tenha”, declarou hoje o editor do jornal, Jacob Nybroe, na página da versão digital do veículo.

O surto de pneumonia viral, que se originou na metrópole de Wuhan (centro da China), deixou mais de 100 mortos na China, com mais de 4.500 infectados no total.

Esta não é a primeira polêmica do “Jylland Posten”. Em 2005, o jornal deflagrou uma onda de protestos violentos no mundo árabe, após a publicação de charges de Maomé.