Mundo

Chanceler da Colômbia deixa o cargo após condenação internacional por repressão em protestos

Chanceler da Colômbia deixa o cargo após condenação internacional por repressão em protestos

Foto tirada em 26 de fevereiro de 2021 da então ministra das Relações Exteriores colombiana, Claudia Blum - AFP/Arquivos


A ministra das Relações Exteriores da Colômbia, Claudia Blum, apresentou sua renúncia “irrevogável” num momento em que o governo enfrenta críticas e condenações pela repressão aos protestos que há duas semanas pressionam o presidente Iván Duque.

Em carta datada de 11 de maio, mas divulgada por seu gabinete nesta quinta-feira (13), Blum pede demissão do gabinete sem especificar os motivos.

“Tenho a certeza de que (…) o país continuará no caminho do desenvolvimento sustentável, na recuperação social e econômica dos efeitos da pandemia e na consolidação de consensos que ratifiquem a unidade e fortaleça nossa nação”, escreveu.

Desta forma, Blum deixa o cargo que ocupava desde novembro de 2019, em um momento delicado para a imagem externa do país.

A ONU, os Estados Unidos, a União Europeia e ONGs internacionais denunciaram graves excessos cometidos pela polícia nas manifestações e distúrbios que deixaram pelo menos 42 mortos e mais de 1.500 feridos, segundo dados oficiais e da Ouvidoria.

De acordo com a imprensa colombiana, a ministra planejava viajar em breve à Europa para compartilhar a versão do governo sobre a crise desencadeada pelas manifestações contra o governo em meio à aguda deterioração econômica provocada pela pandemia de coronavírus.

+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça

Com essa decisão, Duque perde seu segundo ministro em meio à convulsão social. O primeiro foi o chefe do Tesouro, Alberto Carrasquilla, que deixou o cargo pelas críticas à sua proposta de aumentar os impostos da classe média em plena crise sanitária e econômica.

Apesar de Duque ter retirado o projeto legislativo, a violenta repressão aos protestos por parte das forças de ordem alimentou o descontentamento.

Desde então, os protestos se multiplicaram, sem agenda ou direção definida, mas no fundo exigem um país mais justo e um Estado mais solidário e que garanta vida e segurança.

“Outra conquista: seu debate internacional derruba a chanceler Claudia Blum”, escreveu no Twitter o senador da oposição Wilson Arias, natural de Cali, uma das cidades mais afetadas pela violência que acompanha o movimento de contestação.

A Colômbia, com uma população de 50 milhões de habitantes e empobrecida pela pandemia, também enfrenta um aumento da violência financiada pelo narcotráfico que desfaz a ilusão de paz assinada com a guerrilha das FARC em 2016.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago