Geral

Cessão provisória ao município permite restauro da estação central de Campinas

A prefeitura de Campinas obteve a cessão provisória de um dos mais importantes patrimônios ferroviários do País. O documento que transfere para o município o prédio que sedia a Estação Cultura foi assinado nesta semana pela Superintendência do Patrimônio da União (SPU) e a prefeitura. O edifício da estação, marco arquitetônico inaugurado em 1884, ganha assim mais condições de continuar preservado.

A medida permite à administração municipal revitalizar o espaço usado atualmente para atividades culturais. “Temos um dos complexos ferroviários mais preservados do mundo em sua integralidade”, disse o secretário da Cultura, Ney Carrasco, lembrando que a estação é tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Campinas (Condepacc) e pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico de Turístico (Condephaat) do Estado de São Paulo.

O prédio recebeu reparos nos últimos anos, mas já precisa de uma restauração mais completa. A cessão provisória, segundo o secretário, é mais um passo no processo para a transferência definitiva do patrimônio ao município. Também possibilita a celebração de convênios visando à obtenção de recursos para o restauro.

“O plano é ter ali, no futuro, um parque cultural ferroviário, onde as pessoas possam caminhar e ter ações no espaço inteiro, com a recuperação dos galpões”, disse. Está em estudo um acordo de cooperação com o Instituto Pedra, especializado na recuperação de imóveis tombados, para o restauro da estação.

História

A Estação Ferroviária, hoje denominada Estação Cultura Prefeito Antonio da Costa Santos, foi inaugurada pela Companhia Paulista de Estradas de Ferro no dia 11 de agosto de 1872. O primeiro prédio sobreviveu até meados de 1882, quando foi demolido. Uma nova estação foi inaugurada em 1884 e ganhou anexos entre os anos de 1910 e 1950, adquirindo a forma atual. No período, a estação passou a ser usada como baldeação para as estradas de ferro Sorocabana e Mogiana e foi base de operações das tropas paulistas durante a Revolução de 32.

A partir de 1971, passou a fazer parte da Fepasa (Ferrovia Paulista S.A.). O prédio foi tombado em 1982 pelo patrimônio estadual. Em 1998, a Fepasa foi incorporada pela Rede Ferroviária Federal S.A. e concedida à iniciativa privada, que deu ênfase ao transporte de cargas. No dia 15 de março de 2001, o último trem de passageiros partiu da estação com destino a Araraquara.

Nesse mesmo ano, o então prefeito Antonio da Costa Santos (PT) declarou o complexo ferroviário público como de utilidade pública de Campinas. A Estação Cultura foi inaugurada em 11 de agosto de 2002. O prédio abriga auditório, salas multiuso, galerias e patrimônios abertos à visitação, além de sediar a Orquestra Sinfônica de Campinas.

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel