Economia

Cepal alerta sobre “limitado espaço fiscal” da América Latina para enfrentar crise

Cepal alerta sobre “limitado espaço fiscal” da América Latina para enfrentar crise

Pessoas fazem fila nas proximidades de agência da Caixa Econômica Federal no Rio de Janeiro para receber ajuda do governo durante a pandemia do novo coronavírus, em 29 de abril de 2020 - AFP

Os países da América Latina têm um “espaço fiscal limitado” para enfrentar a crise econômica e social decorrente da pandemia de coronavírus, com uma dívida pública que em 2019 atingiu uma média de 45,2% do PIB, alertou nesta segunda-feira a Cepal.

No relatório “Panorama fiscal da América Latina e do Caribe 2020”, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) adverrte que os esforços dos governos da América Latina para enfrentar a pandemia “ocorrem em um ambiente macroeconômico pouco favorável e altamente incerto”, devido ao “espaço fiscal limitado”.

Déficits persistentes, aumento da dívida pública nos anos anteriores à crise da saúde, menor receita dos cofres públicos devido à queda do nível de atividade econômica e dos preços dos recursos naturais contribuem para essa situação, segundo a Cepal, agência técnica das Nações Unidas com sede em Santiago.

Para enfrentar a pandemia, cujo foco está hoje na América Latina, com mais de 2,9 milhões de casos e cerca de 128.000 mortes, os países da região apresentaram pacotes de medidas fiscais “de magnitude significativa”, diz Cepal.

Esses esforços concentraram-se no aumento das contribuições orçamentárias para a saúde, a fim de salvaguardar a capacidade de atendimento, fortalecer programas de transferência para setores vulneráveis e apoiar as empresas por meio de créditos, garantias estatais e medidas de isenção de impostos.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

Segundo estimativas anteriores do organismo, a economia regional sofreria uma contração de 5,3% em 2020. O desemprego aumentaria para 11,5%, o que representa um aumento de 3,4 pontos percentuais em comparação a 2019, enquanto a pobreza alcançaria 28,7 milhões a mais de pessoas, totalizando 214,7 milhões de latino-americanos.

O FMI espera uma contração econômica ainda maior de 9,4% para a região este ano.

Veja também

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?