Farol ISTOÉ

Censura nas redes, jamais

Censura nas redes, jamais

A UE quer aumentar a pressão sobre as redes sociais para evitar as "fake news" - AFP/Arquivos

Na pista para entender melhor o fenômeno das Fake News e sua infuência na política, ao longo de 2019 os ministros do STF ouviram e foram ouvidos por pesquisadores independentes e executivos de gigantes da rede mundial, como Facebook, WhatsApp e Google. Após muito conversar, os ministros entenderam que, sim, como já foi feito na China, é possível barrar a disseminação de notícias falsas, teorias conspiratórias e outras sandices virtuais. Ministros e executivos agora entendem que o problema deve ser resolvido na esfera jurídica – e com celeridade, se é que seria possível. Mesmo diante de mentiras deslavadas, qualquer tentativa de cerceamento será a mais pura censura. Ou seja, tudo conversado, nada resolvido. Segue o barco, já que este ano vem outra eleição.

Veja também

+ Aprenda a preparar o delicioso espaguete a carbonara
+ Vídeo: o passo a passo de como fazer ovo de Páscoa
+ Cientistas desvendam mistério das crateras gigantes da Sibéria
+ Sexo: saiba qual é a melhor posição de acordo com o seu signo
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Como fazer seu cabelo crescer mais rápido
+ Vem aí um novo megaiceberg da Antártida
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Os 4 signos mais psicopatas do zodíaco
+ Cataratas do Niágara congelam e as imagens são incríveis
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Editora estreia com o romance La Cucina, uma aventura gastronômia e erótica

Tópicos

censura WhatsApp