Farol ISTOÉ

Censura contra quem denuncia abusos

Censura contra quem denuncia abusos

O papa Francisco durante o encontro de Natal com a Cúria Romana - POOL/AFP

Enquanto o papa Francisco anuncia que vai abrir o sigilo nas investigações dos casos de abuso na Igreja Católica, facilitando que a justiça secular faça seu trabalho, no Brasil há tentativas deslavadas de censura e coação. Denunciada em reportagem de ISTOÉ, o grupo ultraconservador Arautos do Evangelho tenta intimidar ex-integrantes e pais de alunos de seus internatos com ações judiciais. Mesmo sob investigação do Vaticano por práticas “não ortodoxas”, como a realização de cerimônias de votos forçados, exorcismos, alienação parental e assédio sexual, os Arautos insistem em atacar seus denunciantes. Só esquecem que o caso é observado de perto pela Congregação para a Doutrina da Fé, entidade da hierarquia católica encarregada de julgar desvios doutrinários e heresias. A direita católica está na mira do Vaticano.

Veja também

+ Cartucho de videogame do Super Mario Bros. é leiloado por US$ 114 mil e quebra recorde
+ Neto de Elvis Presley é encontrado morto, diz site
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior