Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

Assim como dito pelo próprio técnico Rogério Ceni, o torcedor do São Paulo saiu do Morumbi molhado pela chuva, mas com a alma lavada. O comandante elogiou a entrega tática de seus comandados na vitória por 1 a 0 com o Corinthians, neste sábado, e ainda disse que espera pelos retornos de Luan e Patrick para enfrentar o Palmeiras na quinta-feira.

O São Paulo encarou, contra o Corinthians, um cenário que não está muito habituado. Geralmente, o time do Morumbi tem mais a posse de bola do que os seus adversários – média de 60% e 70%. Mas, contra o Corinthians, esse cenário mudou. Entretanto, o resultado positivo veio mesmo assim. Para Ceni, isso se deve à obediência tática de seus comandados.

“Não são todas as equipes do Brasil que tem William e Juliano de um lado Paulinho Renato Augusto no meio, ou seja, é um time muito capacitado tecnicamente”, comparou. “Mas o nosso time teve uma vontade de vencer absurda. Aproveitamos a pressão no início do jogo. E conseguimos gol. Todos se dedicaram muito taticamente para que a vitória viesse.”

Ceni admite que teve de pensar muito bem para projetar sua equipe. Afinal, chuva com um adversário perigoso como o Corinthians não é uma condição favorável. “Jogo bastante pegado. Acabou chovendo mais do que a gente imaginava. O campo fica um pouco pesado. Enfrentamos uma equipe de qualidade técnica elevadíssimo”, analisou.

Para ele, foi fundamental a obediência tática e a postura defensiva para o resultado final. “Fico feliz com o nível de comportamento defensivo, mas a partir dos homens de frente. Comportamento defensivo só resulta no zero no placar devido a colaboração do Calleri e do Éder no começo, e depois com a entrada do Juan, que ajudou muito na marcação.”

“Realmente, este jogo foi o oposto dos outros que tivemos durante a temporada, onde a gente controlou mais o jogo. Na minha cabeça eu já previa que isso ia acontecer independente do gol. O Corinthians é um time que tem mais controle de jogo devido às características. Isso se fez mais visível devido ao gol logo no primeiro minuto de jogo”, disse.

“Mas mostrou também um poder de entrega de todos, de compensação. Hoje nós tivemos um trabalho muito mais duro defensivo. Nós tivemos muitos méritos em se entregar taticamente ao jogo. Taticamente ao jogo foi o que mais me agradou. Soubemos compreender o Corinthians e também ter humildade de jogar contra um time que se demonstrou um time mais técnico do que o nosso.”

Rogério Ceni também foi questionado quanto à opção por Juan e não Luciano para o lugar de Éder, que teve de sair de campo após uma dividida com Fagner. “Posso te dizer com Luciano jogador diferenciado. Gosto muito do Luciano. Mas, dentro da minha proposta para o jogo de hoje, o que era a função do Éder fazer e o que foi a função do Juan fazer, eu acho que ele tinha mais energia física para cumprir essa função. Eu fui muito pela capacidade de cumprir a função e eu achei que o Juan me entregaria mais naquele momento do que o Luciano. Isso não é demérito nenhum.”

Por falar em análise individual, o treinador são-paulino não poupou palavras para elogiar Calleri, autor do único gol no Morumbi. “Hoje brigou muito, ajudou bastante, fez um bom jogo hoje. Hoje mais participativo, protegeu bola, brigou com os zagueiros, colaborou com a marcação. O gol foi um presente pela dedicação que ele teve taticamente que o time precisava.”

O São Paulo tem uma das melhores campanhas do Campeonato Paulista, e pode assumir o topo geral do Estadual caso derrote o Palmeiras, na quinta-feira. Rogério Ceni deverá mais uma vez preparar surpresas para enfrentar o atual campeão da Libertadores, visto que seu elenco ainda se encontra em desequilíbrio físico.

“Não, os atletas não estão no mesmo nível, devido à covid, devido algumas lições que aconteceram”, justificou. “Alguns são mais privilegiados fisicamente do que outros, mas estamos fazendo com que ele se equilibrar. Eu acho que para quinta-feira, Luan e Patrick têm condições de serem convocados. Vou ter que achar um lugar no elenco para esse jogadores. Isso é bom, porque gera competitividade. Por isso que todos têm de estar bem fisicamente.”