Geral

Cavalo-marinho macho ameaçado de extinção dá à luz cem bebês na Austrália

Crédito: Sea Life Sydney Aquarium

Um vídeo divulgado pelo Aquário de Sydney, na Austrália, viralizou nas redes sociais. Nas imagens registradas, um cavalo-marinho-branco macho, cuja espécie é ameaçada de extinção, dá à luz cem filhotes.

O rebanho nasceu ao longo de vários dias, com algumas dezenas chegando pouco antes da véspera de Ano Novo. Cada filhote nasceu do tamanhão de um grão de arroz.

O acontecimento foi um sucesso em um programa de reprodução projetado para neutralizar o declínio do número de cavalos-marinhos-brancos.

“Aprendemos com o nosso primeiro ano de criação e fizemos mudanças nas instalações, na fonte de alimentos e na rotina de manejo para desenvolver um programa mais simplificado e eficiente. Acreditamos que isso possa ter contribuído para um início de temporada tão positivo”, disse Mitchell Brennan, especialista em cavalos-marinhos, ao Channel 9.

Gestação do cavalo-marinho 


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Para conseguir engravidar, o cavalo-marinho macho tem uma bolsa incubadora na qual ele transporta os ovos depositados pela fêmea. Na hora do nascimento dos filhotes, o cavalo-marinho macho mexe a cauda até que seus “bebês” nasçam. O processo é conhecido como gestação invertida.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel