Comportamento

Catar se desculpa por exames ginecológicos forçados em aeroporto

Catar se desculpa por exames ginecológicos forçados em aeroporto

(Arquivo) Aviões na pista do aeroporto de Doha - AFP/Arquivos

O Catar fez nesta quarta-feira um mea culpa pelos exames ginecológicos forçados a que foram submetidas várias mulheres no aeroporto de Doha a fim de encontrar a mãe de um recém-nascido abandonado.

“Embora o objetivo desses exames, decididos às pressas, fosse evitar a fuga dos autores de um crime horrível, o Estado do Catar lamenta o sofrimento ou a violação das liberdades individuais que essa ação possa ter causado aos viajantes”, indica um comunicado publicado em um site do governo.

Em 2 de outubro, agentes do aeroporto de Doha obrigaram a desembarcar passageiras de um voo com destino a Sydney, obrigando-as a se submeterem a exames ginecológicos para determinar se alguma delas havia dado à luz recentemente, após a descoberta de um recém-nascido abandonado em um dos banheiros. Posteriormente, autoridades australianas afirmaram que havia mais voos afetados.

O premier do Catar, Khaled bin Khalifa Al-Thani, afirmou em comunicado que será realizada uma investigação “completa e transparente”. Ele assinalou que o país se compromete “a garantir a segurança e o conforto de todos os passageiros que transitam” pelo seu território.

O incidente provocou uma disputa diplomática com a Austrália, que protesta contra o tratamento dispensado a suas cidadãs.

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel