Coronavírus

Casos de Covid-19 disparam em terra yanomami brasileira, segundo comunicado

Casos de Covid-19 disparam em terra yanomami brasileira, segundo comunicado

(Arquivo) Indígena Yanomami, no estado do Amazonas - AFP

Os casos de covid-19 na terra Yanomami brasileiras aumentaram mais de 250% em três meses e a pandemia está “totalmente fora de controle” nessa região amazônica, segundo estudo de associações indígenas divulgado nesta quinta-feira (19).

O relatório, intitulado “Rastros da covid-19 na Terra Indígena Yanomami e a omissão do Estado”, informa que o número de casos aumentou de 335 em agosto para 1.202 em outubro, com 23 mortes confirmadas ou sob suspeita.

Esses dados, coletados com o apoio de lideranças locais e associações da área, ultrapassam 1.050 casos e nove óbitos, segundo a Secretaria de Saúde Indígena do Ministério da Saúde (Sesai) em seu balanço do dia 18 de novembro.

“Como o isolamento social entre os moradores é impraticável nas aldeias, é possível que aproximadamente 10 mil Yanomami e Ye’kwana tenham sido expostos ao novo coronavírus, em um universo de cerca de 27 mil pessoas, ou seja, mais de um terço da população total, evidenciando uma situação de total descontrole”, alertam a Rede Pró-Yanomami, Ye’kwana e o Fórum de Líderes da Terra Indígena Yanomami, responsáveis pelo relatório.

A terra Yanomami, entre os estados do Amazonas e Roraima, é a maior reserva indígena brasileira, com uma área de 96.000 km2, sendo o lar de quase 27.000 indígenas, alguns isolados.

Os primeiros casos e a primeira morte pelo novo coronavírus na região, na fronteira com a Venezuela, foram registrados em abril.

Associações e lideranças indígenas afirmam que a disseminação do novo coronavírus na Terra Indígena Yanomami é ampliada pela presença de garimpeiros ilegais.

O presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro – defensor da mineração e a exploração agrícola de terras indígenas – questionou várias vezes a demarcação da terra Yanomami, que, em plena floresta amazônica, há décadas é invadida por garimpeiros ilegais.

Mauricio Yekuana, diretor da Associação Hutukara, disse em nota que a reportagem mostra “o descaso do governo na Terra Yanomami durante a pandemia”.

“Queremos protocolar esse documento perante as autoridades brasileiras. É um instrumento de denúncia dos problemas da invasão dos garimpeiros, da contaminação do meio ambiente como os nossos rios e ainda sobre as doenças, essa xawara [epidemia], que tem matando muita gente”, acrescentou também em nota Dario Kopenawa, líder Yanomami e vice-diretor da Hutukara.

Kopenawa se reuniu em julho com o vice-presidente brasileiro, Hamilton Mourão, para exigir a expulsão dos garimpeiros das terras Yanomami.

Associações indígenas afirmam que existem cerca de 20.000 trabalhadores ilegais na região, enquanto Mourão afirma que o total é de cerca de 3.500 garimpeiros.

O Brasil, com 212 milhões de habitantes, tem até o momento quase 6 milhões de casos e mais de 167.000 mortes pelo novo coronavírus, sendo o segundo país com mais mortes ocasionadas pela pandemia, atrás somente dos Estados Unidos.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ 10 coisas que os pais fazem em público que envergonham os filhos
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel