Mundo

Casa Branca recebe envelope com veneno fatal

Casa Branca recebe envelope com veneno fatal

Funcionários do Departamento de Defesa dos Estados Unidos examinam a correspondência quando ela chega a uma instalação do governo dos EUA perto do Pentágono, em Washington - AFP/Arquivos

Um envelope contendo ricina, um veneno muito potente, foi enviado à Casa Branca esta semana e interceptado antes de chegar ao presidente Donald Trump, informou a mídia americana neste sábado.

“O FBI, o Serviço Secreto dos Estados Unidos e o Serviço de Inspeção Postal estão investigando uma carta suspeita recebida no correio do governo”, disse a polícia federal.

“Atualmente, não há ameaça à segurança”, acrescentou o FBI em resposta à AFP.

De acordo com fontes anônimas citadas pelo The New York Times e CNN, dois testes realizados no produto encontrados neste e-mail suspeito estabeleceram que se tratava de ricina.

A ricina é o veneno mais forte do reino vegetal, 6.000 vezes mais poderoso que o cianeto. É uma substância mortal se ingerida, inalada ou injetada e para a qual não existe antídoto.

De acordo com o jornal de Nova York, os investigadores acreditam que a correspondência veio do Canadá e identificaram uma mulher como suspeita.

Outras agências federais, localizadas no Texas, também receberam correspondências contendo esse veneno, segundo o jornal.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Pudim japonês não tem leite condensado; aprenda a fazer

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ O processo de formação como obra

+ Arte e algoritmo: Uma genealogia

+ Radicalmente vivo