Agronegócio

Cartel envolvia compra de laranja e venda do suco, diz delator em processo


Ribeirão Preto, 28/6 – O ex-diretor industrial da Coinbra Frutesp (atual Louis Dreyfus Company) Paulo Ricardo Machado afirmou nesta quarta-feira, 28, em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Cartelização da Citricultura da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, que o cartel de companhias do setor produtivo de suco de laranja envolvia a compra da fruta no País e a venda da bebida no exterior. “O cartel envolvia duas partes. No exterior, as companhias acertavam o preço do suco, por volta de outubro de cada ano, e, depois, o preço da fruta”, disse.

Machado, que trabalhou na Coinbra entre 1981 e 2000, se dispôs a delatar o cartel e firmou, em 2005, um acordo de leniência no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) no processo do órgão antitruste iniciado em 1999 que investigou o cartel. O processo foi encerrado no final do ano passado com o pagamento de R$ 301 milhões por parte de empresas e pessoas físicas que assumiram a prática junto ao Cade.

Declarando ser o responsável por controlar o esquema dentro da Coinbra, Machado afirmou, em depoimento, que a as companhias combinavam até o ritmo de colheita da durante a safra, além do valor pago pela fruta. “Cada empresa não poderia mais comprar que o necessário pra cumprir o acordo. Tinham auditores nas empresas e toda semana distribuíram disquetes com detalhes de compra e moagem”, exemplificou Machado aos deputados estaduais.

O ex-diretor admitiu ter “se antecipado a ex-funcionários” das companhias para não perder as garantias obtidas no acordo de leniência, entre elas o não pagamento de multas. “Soube do movimento de ex-funcionários em fazerem acordo de leniência com o Cade e tomei a frente antes que outros fizessem e eu perdesse garantias”, admitiu.

O acordo foi firmado junto ao Ministério Público do Estado de São Paulo e deu origem à Operação Fanta, deflagrada pela Polícia Federal em janeiro 2006, com ações de busca e apreensão nas companhias do setor. Os documentos apreendidos, no entanto, seguem em sigilo.

Além do depoimento de Machado, a CPI aprovou, na reunião encerrada nesta quarta, a convocação de todos os responsáveis pela assinatura do acordo firmado no Cade no ano passado, entre eles donos e presidentes de empresas do setor. Em depoimentos à CPI, diretores de algumas companhias evitaram falar sobre o acordo e os detalhes do cartel, que alegaram estar em sigilo.

Com isso, deputados aprovaram requerimento que pede à Procuradoria Jurídica da Assembleia que impetre mandado de segurança para que o Cade forneça detalhes do acordo firmado com as empresas para finalizar o processo do cartel. Um requerimento enviado ao órgão antitruste sequer foi respondido no prazo regimental.

A CPI da Cartelização da Citricultura tem como prazo o dia 22 de agosto para ser encerrada caso a Assembleia Legislativa entre em recesso na sexta-feira, 30, como previsto. Se os trabalhos no Legislativo paulista seguirem, os dias serão contados e o prazo de encerramento será antecipado. Por isso, deputados já articulam o pedido de uma nova CPI sobre o mesmo assunto para prorrogar as apurações. Caso o pedido seja feito e a CPI aprovada, ela seria a primeira a entrar na fila para ser instalada na Assembleia Legislativa.

Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio