Geral

Prefeitura de São Paulo cancela carnaval de rua devido a aumento de casos de Covid

A Prefeitura de São Paulo decidiu cancelar o Carnaval de rua deste ano. A decisão se deve ao aumento de casos de coronavírus causados pela variante ômicron e à epidemia de influenza. A Secretaria de Saúde afirmou ainda que não é recomendável fazer o evento no autódromo de Interlagos, como havia sido aventado. Apesar do cancelamento, o prefeito Ricardo Nunes manteve os desfiles das escolas de samba de SP no Sambódromo do Anhembi, que devem acontecer nos dias 25, 26, 27 e 28 de fevereiro. Entretanto, os desfiles só poderão ocorrer se a Liga aceitar os protocolos sanitários.

Outros cancelamentos


Após Rio, Ouro Preto e Salvador, nesta quarta, 5, foi a vez de a prefeitura de Recife cancelar a realização do tradicional carnaval de rua. A medida ocorre devido ao quadro atual da covid e ao aumento de infecções pelo vírus influenza. Uma decisão sobre a realização do carnaval de rua da cidade de São Paulo é esperada para hoje, mas 32 blocos já cancelaram ao menos 41 desfiles, e associações de rua lançaram manifesto contrário.

Em ao menos 11 capitais a prefeitura não patrocinará o carnaval de rua: Belém, Belo Horizonte, Campo Grande, Cuiabá, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Recife, Rio, Salvador e São Luís. Ontem, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que a decisão sobre o carnaval de rua caberá às prefeituras, mas se posicionou contrário à realização. “Não é o momento para aglomerações desta ordem. Portanto, a recomendação é evitar que aconteça.” Já João Gabbardo, coordenador executivo do Comitê Científico do Estado, disse considerar “impensável manter o carnaval (de rua) nestas condições”. “Mesmo o carnaval de desfile, nós temos de ter uma preocupação, porque essas pessoas, para chegar ao local de desfile, vão se aglomerar no transporte coletivo, vai ter aglomeração na entrada, na saída. E isso sempre é um risco”, afirmou.

Após anunciar a decisão, o prefeito de Olinda, Professor Lupércio (Solidariedade), disse ao Estadão que seria uma “irresponsabilidade muito grande” promover festividades públicas neste momento, uma vez que a cidade recebe, em média, 4 milhões de foliões de cerca de 80 países. “Eu sempre disse que nós estávamos preparados para realizar o carnaval da nossa cidade em 2022 desde que as condições por conta da pandemia fossem favoráveis. No entanto, o cenário pandêmico não nos permite fazer este que é o maior carnaval do mundo.”