Brasil

Carlos Decotelli deixa o MEC após polêmicas com seu currículo

Carlos Decotelli deixa o MEC após polêmicas com seu currículo

Foto divulgada pela Presidência mostra o presidente Jair Bolsonaro (E) ao lado de seu novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, no Palácio do Planalto, em Brasília, 26 de junho de 2020 - Brazilian Presidency/AFP

Apenas cinco dias como ministro da Educação nomeado e sem chegar a tomar posse, Carlos Decotelli anunciou nesta terça-feira (30) que pediu demissão do cargo após as polêmicas sobre a validade de seus títulos acadêmicos, conforme apuração da Folha de S.Paulo. Com isso, a gestão de Jair Bolsonaro acumula a terceira saída da pasta em menos de dois anos.

Em meio a polêmicas sobre sua trajetória acadêmica, Decotteli foi escolhido para substituir Abraham Weintraub, que deixou o cargo de ministro por embates com o Supremo Tribunal Federal (STF).

Ainda segundo o jornal, entre os nomes mais cotados para assumir o MEC estão Anderson Correia, atual reitor do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), além do secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, o ex-assessor do Ministério da Educação Sérgio Sant’Ana e o conselheiro do CNE (Conselho Nacional de Educação) Antonio Freitas, que ocupa o cargo de pró-reitor da Fundação Getúlio Vargas. Freitas, inclusive, aparecia como o orientador do doutorado não realizado por Decotelli.

Além destes, há a possibilidade do núcleo militar do governo apoiar o nome de Marcus Vinicius Rodrigues, ex-presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), que auxiliou na mudança do governo.

O Congresso Nacional é outro órgão que pode apoiar um nome. O senador Rodrigo Pacheco (DEM-RO) é um nome com força entre os parlamentares do Senado e da Câmara dos Deputados.

O professor Gilberto Garcia também pode ser considerado no páreo. Ele já ocupou a presidência  do CNE, reitor da Universidade Católica de Brasília e da Universidade São Francisco (SP), onde leciona atualmente.

O núcleo militar passou a defender também o nome do professor Marcus Vinicius Rodrigues, ex-presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), que ajudou na transição do governo.

Com a possibilidade de uma mudança, deputados e senadores passaram a apoiar que a pasta seja comandada por um parlamentar. O nome favorito no Poder Legislativo é o do senador Rodrigo Pacheco (DEM-RO).

Continua no páreo o presidente da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Nível Superior), Benedito Aguiar, que é evangélico e tem apoio de parlamentares religiosos.

Veja também

+ Pronampe: pedidos ao Sicoob somam R$ 500 mi em 1 dia, 41% do limite
+ O anel de noivado de diamantes de Nicola Peltz com o filho de Beckham, custou mais de R$2.3 milhões
+ Leilão de carros tem Camaro a partir de R$ 72 mil
+ Yamaha XSR 155, retrô de baixa cilindrada, é apresentada
+ Veja 7 incríveis casas na natureza para sonhar
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior