Newsletter

Carlos Bolsonaro mantém assessores investigados por suspeita de “rachadinha” em seu gabinete

Crédito: Reprodução

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) mantém três assessores investigados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro no caso das “rachadinhas” em seu gabinete. A apuração foi realizada pelo jornal ‘O Estado de São Paulo’.

O Ministério Público está investigando se alguma dessas pessoas são funcionários “fantasmas”, nomeadas apenas para repassar parte dos salários ao filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Entre os nomes investigado está o de Jorge Luiz Fernandes, chefe de gabinete de Carlos, considerado funcionário “fantasma”, que recebe cerca de R$ 23,3 mil. Procuradores apuram se Regina Célia Sobral, esposa de Jorge, foi nomeada como parte do esquema, já que ela segue no cargo e recebe um salário líquido de R$ 13,3 mil. Além do casal, Edir Barbosa Góes, que aparece como assessor do vereador desde 2008, também é investigado.

A Promotoria investiga a existência do esquema de “rachadinha” e a contratação de funcionários “fantasmas” no gabinete do filho de Jair Bolsonaro. O esquema, conforme o Ministério Público, dividido em seis “núcleos”, que são identificados por sobrenomes e com mais de um integrante das mesmas famílias.

Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio