Capitão Nascimento: “O sistema é f***”. Rachadinha agradece

Capitão Nascimento: “O sistema é f***”. Rachadinha agradece

A Segunda Turma do STF, ops!, errei, vou recomeçar: a Quinta Turma do STJ anulou, por 4 votos a 1, a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Flávio “Rachadinha” Bolsonaro. Com isso, todos os dados obtidos pela investigação não poderão ser usados como prova contra o maior vendedor de panetones de chocolate, em dinheiro vivo, do mundo.

O senador, como é sabido, responde a processos por peculato, nome correto para as tais das “rachadinhas”, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro, o então deputado, através de Fabrício Queiroz, amigo de décadas do seu pai, ex-assessor e uma espécie de “faz tudo” da família Bolsonaro, exigia a devolução de parte dos salários dos funcionários de seu gabinete, na ALERJ (Assembleia Legislativa do Rio de janeiro).

Ato contínuo, Queiroz depositava, através de operações fracionadas de 2 mil reais, sempre em espécie, na conta ou do próprio Flávio ou de sua esposa. Além disso, o miliciano também pagava contas particulares da família do senador, e, inclusive, depositou vultosa quantia, de cerca de 90 mil reais, na conta corrente da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, no caso que ficou conhecido como “micheques”. E ainda, operações imobiliárias de compra e de venda de imóveis, com parte dos pagamentos em dinheiro, eram comuns a Flávio e a seus irmãos.

Em 2019, o ministro Dias Toffoli, o “amigo do amigo de meu pai”, em decisão monocrática em um plantão judiciário, já havia proferido uma importante decisão favorável ao filho do seu BFF (Best Friends Forever), Jair Bolsonaro. E outro ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), o “mais amado do Brasil”, Gilmar Mendes, também vem decidindo a favor do bolsokid 01. Aliás, Mendes e Bolsonaro se tornaram mais próximos recentemente. Brasília e o Poder têm essas coisas.

Daí, para a indicação de um nome comum que agradasse aos amigos, foi um pulo, e Kassio Nunes Marques é hoje o fiel da balança na Segunda Turma do STF, coincidentemente aliado – e alinhado! – a Mendes e Lewandowski, geralmente a favor do corrupto e lavador de dinheiro, Lula da Silva, e contra o ex-juiz federal e ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, e a Lava Jato.


+ Homem que vivia ‘casado’ com a própria filha é preso após polícia investigar agressão contra criança
+ Família de Schumacher coloca mansão à venda por R$ 400 milhões
+ Pão de Queijo: faça uma das receitas mais gostosas do Brasil



Alguma ilegalidade na história toda? Nenhuma. Alguma acusação de favorecimento ou outro tipo de ajuda “auricular” da minha parte? Nenhuma. Todos os ministros estão decidindo única e exclusivamente de acordo com as leis, sem ver – como diria Marco Aurélio Mello – a capa do processo? Imagino e espero que sim. Bruxas existem? Não creio, mas que las hay, las hay. E o Capitão Nascimento, também.

Veja também

+ Receita de bolinho de costela com cachaça
+ Cientistas descobrem nova camada no interior da Terra
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS


Sobre o autor

Ricardo Kertzman é blogueiro, colunista e contestador por natureza. Reza a lenda que, ao nascer, antes mesmo de chorar, reclamou do hospital, brigou com o obstetra e discutiu com a mãe. Seu temperamento impulsivo só não é maior que seu imenso bom coração.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.