Comportamento

Capitã de barco de resgate diz que seus atos foram justificados

Capitã de barco de resgate diz que seus atos foram justificados

Carola Rackete (E), capitã que trabalha paara a organização de resgate marítimo Sea-Watch e o espanhol Oscar Camps (D), fundador da ONG espanhola Proactiva Open Arms, dedicada à busca e ao resgate no mar, são seguidos do técnico do Manchester, Josep Guardiola antes de receber medalha de honra do Parlamento catalão, em Barcelona, 10 de setembro de 2019 - AFP

A capitã do Sea-Watch 3, Carola Rackete, que desafiou a proibição italiana de desembarcar migrantes, afirmou nesta terça-feira (10), ao receber um prêmio em Barcelona, não estar preocupada com possíveis consequências judiciais porque seus “atos eram justificados”.

“Ainda estou sob investigação das autoridades italianas. Mas estou preocupada? Honestamente não porque meus atos eram justificados”, disse a jovem alemã ao receber a Medalha de Ouro do Parlamento regional da Catalunha, no nordeste da Espanha.

Também recebeu a honraria o fundador da ONG espanhola Proactiva Open Arms, Oscar Camps, cujo navio de resgate ficou três semanas de agosto bloqueado em frente à costa italiana, devido ao fechamento de portos ordenado pelo ex-ministro do Interior Matteo Salvini.

Em junho, a jovem capitã alemã ficou famosa ao desafiar Salvini, líder da extrema-direita, e desembarcar à força os migrantes resgatados no porto da ilha italiana de Lampedusa, inclusive atingindo uma lancha da polícia.

Também participou da cerimônia o técnico de futebol do Manchester City Pep Guardiola, que recebeu o mesmo prêmio anos atrás. Ele disse que “contra os Salvinis pretensamente salvadores que afundam o mundo à deriva, temos quem realmente o preserva e refugia, Open Arms e Sea-Watch”.