Cantù e o soneto 116

A maioria dos países carrega mentiras em sua história — e o Brasil não foge a essa regra. Muitas nações transformam tais mentiras em historiografia oficial, e, igualmente, nosso País não é exceção. As mentiras ficam, perpetuam-se seja qual for o establishment de plantão. As mentiras asseguram o status quo, e é aí que a porca torce o rabo — o que é mentira, a porca não torce nada não, a coitada já nasce com o rabo torcido. A mentira é o x do problema, e também isso é mentira, porque problema não tem x, quem tem x é equação. Vamos então a uma equação, a resposta certa está ao final desse artigo, e sei que o leitor não irá olhar a solução antes de tentar resolvê-la — pura mentira, o leitor vai rapidinho olhar a conclusão antes de quebrar a cabeça:

• Em uma bifurcação, um dia fica um homem que só fala verdade, em outro dia fica um homem que só fala mentira.
• Da bifurcação sai um caminho que leva à morte e outro que mantém a vida.
• Você não sabe qual dos homens está na bifurcação: se é o que mente ou o que diz a verdade.
• Que pergunta você faria a ele para se manter vivo? Você perguntaria qual o caminho que leva à morte ou indagaria qual é o caminho que mantém a vida?

Mas por qual motivo o signatário está com essa fixação em mentira? Confesso a vocês que de fato andei relendo nos últimos tempos o filósofo italiano Cesare Cantù, que no século XIX escreveu a monumental “Storia Universale”, obra que reúne setenta e dois volumes. Reli todos, mas isso é mentira, só reli mesmo o que fala que “a verdade não é o oposto da mentira”. Podem pensar nisso, leitores, e terão de pensar mesmo porque essa resposta não darei no pé do texto. Pois bem, não tinha eu como não pensar na mentira depois que um ex-ministro passou feito um raio pelo Ministério da Educação. Se queria entrar para a história, entrou. E pela porta giratória de um País no qual a decretação da República nasceu de uma mentira: deposto por Marechal Deodoro o Visconde de Ouro Preto da chefia do Gabinete Ministerial da monarquia, o republicano Benjamin Constant espalhou a mentira de que ocuparia
o cargo Silveira Martins. Deodoro não o tolerava porque Martins ficava “azarando” (na época dizia-se “arrastar uma asa”) a sua esposa. Deodoro foi à Câmara e decretou a República, que, assim, nasceu de uma mentira. Deu no que deu.

Eis agora a resposta da equação proposta acima: a pergunta que deve ser feita é “qual o caminho que leva à morte”. Se for o homem que fala a verdade, é só seguir o outro caminho, porque ele será verdadeiro em indicar a morte. Se for o homem mentiroso, é também só seguir o caminho que ele indicar, pois, como mente, indicará o caminho da vida. Se tudo o que eu disse não for verdade, então nenhuma palavra escrevi e ninguém nunca mentiu.

“A verdade não é o oposto da mentira” Cesare Cantù, historiador italiano


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ 6 fotos em que o design de interiores do banheiro foi um fracasso total. Confira!
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.