Câmara dos Deputados: 5,7 bilhões de reais em causa própria

Crédito: Najara Araújo/Câmara dos Deputados

(Crédito: Najara Araújo/Câmara dos Deputados)


O Brasil cansa.

Em 2015, o Supremo Tribunal Federal decidiu que eram inconstitucionais as doações para campanhas políticas feitas por empresas. Fez isso em meio à indignação causada pela Lava Jato, que mostrou que, além de praticar caixa 2, grandes grupos empresariais, especialmente de empreiteiras, financiavam candidatos com dinheiro desviado de estatais, especialmente a Petrobras.

Sempre achei a decisão ruim. Em primeiro lugar, porque não impede que políticos recebam dinheiro por baixo dos panos. Só fiscalização e combate à corrupção fazem isso.

Em segundo lugar, por cassar uma prerrogativa que me parece justa: as empresas são atingidas de mil maneiras por decisões do governo que só dizem respeito a elas, e não às pessoas físicas. Dentro de um limite claro para os valores, que impedisse grupos bilionários de exercer influência excessiva nas eleições, elas deveriam poder doar aos candidatos que lhes parecessem mais aptos a fortalecer o seu setor, ou a economia de forma geral.

A terceira razão é que o financiamento eleitoral exclusivamente público incentiva os congressistas a ampliar cada vez mais a mordida no orçamento para pagar suas campanhas.

Era previsível, e foi o que aconteceu. Depois de gastar dois bilhões nas eleições de 2018, os deputados praticamente triplicaram, na tarde de ontem, o valor a ser utilizado em 2022. Ele saltou para 5,7 bilhões de reais.

Com certeza é escandaloso. A dinheirama equivale a mais de um quarto dos 20 bilhões reservados neste ano para a compra de vacinas.

Mas o pior é a forma como aconteceu: a verba estava embutida na Lei de Diretrizes Orçamentárias, que foi aprovada em votação simbólica, em vez de nominal.

Em outras palavras, os deputados sabiam que a medida seria impopular e decidiram se esconder por trás de um método de votação que não obriga cada um a declarar sua escolha. Covardia e malandragem.

Alguns foram ainda mais longe. Depois de assistir calados à votação simbólica, resolveram dizer hoje, diante da repercussão negativa, que desaprovam os muitos bilhões direcionados ao fundo eleitoral.

Tem nome para isso: hipocrisia. Nenhum deputado foi pego de surpresa. Quem não quis endossar os 5,7 bilhões, fez isso ontem. Foram cento e quarenta e cinco os que se mexeram para votar contra.


PS: Os bolsonaristas adeptos do voto impresso rasgaram o regimento da Câmara dos Deputados na tarde de hoje, para evitar que o relatório favorável à adoção desse modelo fosse rejeitado. Ao perceber que a derrota era inevitável, o presidente da comissão que analisa o tema, o deputado Paulo Eduardo Martins (PSC/PR), encerrou abruptamente a sessão, que já vinha bastante tumultuada. Pela revolta que causou, deve ter aumentado ainda mais a determinação de quem não quer o voto impresso. O episódio também mostrou o que esperar nas eleições do ano que vem: se recorreram à chicana para não perder a votação de hoje, o que farão os bolsonaristas quando seu mito for derrotado nas urnas?



Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio


Sobre o autor

Carlos Graieb tem trinta anos de experiência como jornalista e executivo de mídia. Foi secretário de Comunicação do Governo do Estado de São Paulo (2017-2018)


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.