Geral

Calor bate recorde de todos os anos em Cuiabá e em Campo Grande

Crédito: Reprodução/GloboNews

Em Cuiabá, moradores enfrentam os efeitos das queimadas no Pantanal (Crédito: Reprodução/GloboNews)

As capitais Cuiabá (MT) e Campo Grande (MS) registraram nesta quinta-feira (30) um novo recorde histórico de calor. Isto significa que, desde que começaram as medições meteorológicas nestes locais feitas pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) nunca fez tanto calor. As informações são da Climatempo.

Em Cuiabá, o novo recorde histórico de calor foi estabelecido com a temperatura de 44,0°C por volta das 17h de ontem. Esta foi a maior temperatura medida desde dezembro de 1910 quando começaram as medições do INMET em Cuiabá. Esta temperatura também entra para lista das 10 maiores já registradas no Brasil pelo instituto. O recorde histórico de calor foi batido duas vezes em setembro de 2020. A primeira vez com a marca 42,7°C em 13 de setembro.

Já em Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul, o novo recorde histórico de calor foi estabelecido em 30 de setembro de 2020 com a marca de 40,8°C. O recorde anterior era de 40,2°C em 15 de outubro de 2014. De acodo com a Climatempo, o calor permanece intenso em Campo Grande e em Cuiabá nesta quinta-feira (1º) e novos recordes históricos poderão ocorrer.

Veja também

+ Cantora MC Venenosa morre aos 32 anos e família pede ajuda para realizar velório
+ Homem salva cachorro da boca de crocodilo na Flórida
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel