Tecnologia & Meio ambiente

Califórnia corta energia de 800 mil lares ante risco de incêndio

Califórnia corta energia de 800 mil lares ante risco de incêndio

Vista aérea das casas destruídas em Paradise, norte da Califórnia, em novembro de 2018 - GETTY IMAGES/AFP

A companhia de energia americana PG&E, considerada responsável pelo incêndio mais mortal da Califórnia no ano passado, anunciou nesta quarta-feira (9) sua decisão de reduzir preventivamente a luz em 800.000 casas na área de San Francisco, devido aos riscos de um novo episódio.

+ Mourão, sobre ser vice de Bolsonaro em 2022: ‘Estou trabalhando para isso’

“A decisão de cortar a fonte de alimentação foi tomada com base em previsões de clima seco, quente e ventos, e o possível risco de incêndio”, disse o grupo em comunicado.

A PG&E procura evitar a repetição do incêndio que devastou a cidade de Paradise, na Califórnia, em novembro de 2018, causando 86 mortes e a destruição de 18.000 imóveis.

A empresa foi considerada responsável por essa catástrofe e por outros incêndios no ano anterior.

A cidade de San Francisco não será diretamente afetada pela medida, mas grande parte da baía ficará sem energia, incluindo algumas áreas do Vale do Silício.

Veja também

+ RJ: tráfico promete caçar quem gravou equipe do Bravo da Rocinha: ‘Vai morrer’

+ Hubble mostra nova imagem de Júpiter e sua lua Europa

+ Após morte de cachorro, Gabriela Pugliesi adota nova cadela

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea