Esportes

Caio Souza destaca superação de dores para faturar ouro histórico na ginástica

A histórica medalha de ouro conquistada por Caio Souza na disputa do individual geral da ginástica artística nos Jogos Pan-Americanos foi assegurada após a superação de dores. O brasileiro passou por cirurgia no tornozelo esquerdo em maio, problema que chegou a colocar em dúvida a sua presença em Lima. Mas conseguiu se recuperar para se tornar o ginasta mais completo das Américas.

“Passei por um processo cirúrgico e estava na incerteza se daria tempo, se faria quatro ou seis aparelhos. A cada dia que foi passando, trabalhando firme, eu consegui estar na equipe para representar os seis aparelhos. A cada aparelho foi saindo um pouco o peso dessa cirurgia”, contou.

O ouro do individual geral foi o segundo de Caio nesta edição do Pan, pois também já havia vencido a disputa por equipes. Em 2015, em Toronto, ele foi prata por equipes e bronze no salto. Mas foi a quarta colocação no Canadá no individual geral que o levou às lágrimas na noite de segunda-feira, quando da confirmação do seu título na mesma prova.

“Eu chorei por conta do Pan de Toronto. Lá fiquei em quarto, muito próximo do terceiro. Aqui mostra a minha evolução”, avaliou o ginasta, que nesta terça-feira participará da final das argolas. “Eu vim muito focado. Saí do Brasil falando para o pessoal: ‘eu vou fazer história nesse Pan’. Eu consegui, nós conseguimos duas medalhas nos lugares mais altos do pódio”, comemorou.

Medalhista de prata no individual geral, Arthur Nory celebrou ter conquistado a dobradinha com o amigo. “A gente se conhece muito bem, desde pequenos. Sabemos o que o outro precisa ouvir, em que precisa de ajuda. Isso é o trabalho em equipe que a gente tem sempre. Quando viajamos, estamos sempre no mesmo quarto, estamos juntos como equipe, como amigos, como família”, afirmou.

Nesta terça-feira, serão disputadas, a partir das 15 horas (de Brasília), finais por aparelhos da ginástica no Pan. O Brasil estará representado no solo (Arthur Nory e Arthur Zanetti), no cavalo (Francisco Barretto), nas barras (Carolyne Pedro e Lorrane Oliveira) e nas argolas (Arthur Zanetti e Caio Souza).