Cadê o Queiroz? E os celulares de Adriano?

Cadê o Queiroz? E os celulares de Adriano?

A demissão do diretor-geral da Policia Federal, Maurício Valeixo, e saída do governo do ministro da Justiça, Sérgio Moro, são mais dois lances macabros do jogo de xadrez com a morte que o presidente Jair Bolsonaro está impondo aos brasileiros. Todo dia, ele provoca um acontecimento para destinar alguns de nós, peões, ao sacrifício. Precisamos de ajuda do Estado para gerenciar uma crise sanitária e Bolsonaro lança a corda para a gente se enforcar, só para proteger seus filhos de qualquer ameaça e provar que a família prevalece sobre a República. Enquanto isso vemos os nossos parentes e amigos morrerem.

O ministro foi claro, Bolsonaro queria um acesso privilegiado às investigações policiais, alguém na direção-geral para fazer pedidos antirrepublicanos. “Bolsonaro quis acesso a dados da PF”, disse Moro. O intuito básico é proteger Flávio, Eduardo e Carlos, todos enrolados com laranjais e fake news e alvos de investigações e acusações criminais. Bolsonaro pretende salvá-los de um eventual situação de prisão e largar os brasileiros à sua própria sorte, em meio a uma pandemia mortífera. Pretende também se salvar, porque, afinal de contas, cadê o Queiroz? Cadê os treze celulares do miliciano morto na Bahia, Adriano da Nóbrega? Cadê o Adélio Bispo?

O Mensalão e o Petrolão são fichinhas perto desse desvio moral que se instalou no Estado brasileiro e que se escancara em um momento tão delicado. Proteger a si e a sua prole de uma situação absurdamente escandalosa é o único objetivo do presidente, que sofre de evidentes problemas de saúde, não governa mais (o comando operacional está com o general Walter Braga Netto) e mantém uma postura de ditador machão para uma base política esquisita e desumana que se desfaz a cada dia e a olhos vistos. Um dos lados mais perversos disso tudo é politizar, com intenções ditatoriais, uma crise sanitária. Se a sociedade, o Judiciário, o Legislativo e mesmo a maioria dos militares aceitarem isso é porque o autoritarismo já se impôs.

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar



Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.