Cadê minha vacina, Presidente?

Cadê minha vacina, Presidente?

Presta atenção! Eu não estou querendo saber que se ela é Coronavac, Fáizê, Chinofarmi, Astrazénica, Ócsíford, Pé de jaca, Mão de vaca, Fio Cruz ou Butantan. O que eu quero é uma. Pegar uma. Uma vacina. Uma qualquer que seja boa. Depois vou tomar todas. Todas, meu velho. Que meu saco cheio e meu coração seco de tanta pandemia.

Doria, sai da frente. Bolsonaro fica quieto! Deixem por favor o mercado passar. Para de fazer joguinho com a minha dose. Essa vacina é minha não é nossa. Essa picada me pertence. Dá pra eu pagar meu pato? Só desta vez?

É verdade! A Pandemia colocou de novo os políticos na linha da frente da importância social, mas esses nove meses de poder absoluto, de março a dezembro, os viciaram completamente como há muito tempo ninguém via. E graças à pandemia.

Mas eles sabem que quando ela passar — que coisa linda que coisa boa — o poder deles vai se escafeder, e de novo serão os capitalistas — inovadores, empreendedores e financeiros que há mais de duas décadas controlam o fluxo global da grana — a ocupar o lugar que a globalização lhes dá.

Quando isso acontecer, Doria e Bolsonaro serão castigados pelo mau bocado que estão fazendo os cidadãos passar e, como sempre acontece, vão bancar o Hazazel da sociedade capitalista. Se desenganem românticos tribunos, pegar o Cristo é hoje um dos principais papeis que vos espera.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Resistam à tentação do poder meninos! O que hoje os cidadãos esperam do Estado é que ele garanta a qualidade das vacinas, segure a idoneidade das empresas que as produzem e regulamente sua utilização. Não que banque o santinho por cima da angústia do povo.

A tentação em transformar a vacinação contra o Covid-19 numa estratégia política de manutenção do poder é inadmissível.

Se na Europa os médicos estão sendo vacinados é porque a vacina é boa. E se ela é boa. Lá, nenhum político arriscaria, um milímetro que fosse, enfiar a “linha da frente” do combate à pandemia ocupando leitos nos Cuidados Intensivos.

O problema, gente, não é se a vacina é boa. É quando ela vem. E eu quero a minha, agora!

Bem-vindos a 2021. O ano da vacina!

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.