Esportes

Burger King é notificado pelo Palmeiras após propaganda de hambúrguer de porco

Crédito: Reprodução

O Palmeiras enviou uma notificação ao Bruger King nesta quarta-feira (8) por conta de um comercial da rede de lanchonetes que faz alusão ao alviverde paulista. A informação foi divulgada por Rodrigo Capelo, do Globo Esporte.

De acordo com a notificação, o verdão requisita a retirada qualquer citação ao clube em relação ao comercial. Além disso, o Palmeiras reivindica uma retratação pública e imediata. Caso contrário, o clube paulista ameaça ir à Justiça.

O termo usado pelo Palmeiras foi “marketing de emboscada” para criticar a ação publicitária, o qual a marca usa determinada associação em seu comercial sem ser patrocinadora oficial. Vale lembrar que o BK não patrocina o alviverde paulista.

A referida propaganda foi feita para promover novo lanche da rede, feito com carne de porco, um dos apelidos do Palmeiras tanto cantado pela sua torcida, como usado pelos rivais.

Como base para a exigência, o atual bicampeão da Copa Libertadores mencionou o artigo 87 da Lei Pelé. No texto do legislação, apelidos, nomes e símbolos que fazem referência à determinada associação são de uso exclusivo da prática desportiva.

Em nota enviada ao jornalista Rodrigo Capelo, o Burger King que a intenção foi divulgar o seu produto de maneira irreverente.

“Sobre a notificação do Palmeiras, recebida pelo Burger King, em relação à campanha de lançamento do Whopper Costela, a marca ressalta que seu objetivo foi apresentar o novo produto de forma divertida, evidenciando o sabor único da carne de porco. O Burger King esclarece que em nenhum momento fez menção direta para qualquer clube de futebol”, disse a rede.

O Palmeiras confirmou o envio da notificação extrajudicial e, por meio de sua assessoria, se posicionou com declaração de seu advogado, André Sica.

“Notificamos o Burger King em razão de ter havido uma clara e ilegal alusão à marca do Palmeiras. O futebol brasileiro está se modernizando e se qualificando. É inconcebível que, neste momento, uma instituição da grandeza do Burguer King prefira piratear as marcas dos clubes ao invés de licenciá-las e contribuir com o fortalecimento desse mercado”, disse o clube em nota enviada ao GE.