A semana

Brincadeira no muro entre México e EUA

Crédito: LUIS TORRES
Divulgação

Desde que Donald Trump foi eleito em 2016, a discussão sobre um muro na fronteira entre os EUA e o México é debatida quase diariamente. Na terça-feira 30, a conversa foi sobre uma intervenção artística feita no ponto que separa a região próxima de El Paso, no Texas, da Cidade de Juarez. Gangorras cor-de-rosa foram instaladas pelos professores Ronald Rael e Virgina San Fratello nas grades que dividem os países para que crianças americanas brinquem com as mexicanas. Os brinquedos parecem uma resposta para a decisão da Suprema Corte que permitiu que Trump use recursos do orçamento do Pentágono para construir o infame muro que ele prometeu desde a campanha e até agora não conseguiu erguer. O orçamento disponível para o republicano é de US$ 2,5 bilhões, que deve ser suficiente para cobrir a fronteira que vai do Oceano Pacífico até o Atlântico — mais de três mil quilômetros. A segurança na fronteira é uma das principais bandeiras eleitorais de Trump, principalmente com o governo mexicano estimando que existam 250 mil emigrantes do país em terras americanas.

Weintraub contra as mensalidades

Marcelo Camargo/Agência Brasil
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, contrariou expectativas de apoiadores liberais. Ele declarou ser contra a cobrança de mensalidade nas universidades federais para os mais ricos. Segundo o ministro, a medida “não trará resultados práticos, uma vez que em média apenas 10% dos alunos teriam condições de arcar com isso.” Para Weintraub, o projeto que faz sentido é dar autonomia às universidades e aos estudantes, garantindo o investimento correspondente à formação do aluno, independente de onde ele estudar.

CIGARRO
Brasil é referência contra o tabagismo – por enquanto

ljubaphoto

Um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontou o Brasil e a Turquia como os únicos países a seguirem as sugestões da entidade para combater o tabagismo. Constam das recomendações: advertir a respeito do uso de tabaco — com proibições publicitárias — e proteger a população da fumaça gerada pelo fumo. Segundo a OMS, cinco bilhões de pessoas vivem em países que controlam o uso de tabaco, quatro vezes mais do que há dez anos. Apesar disso, esse status pode estar ameaçado. O governo brasileiro estuda diminuir impostos sobre o cigarro para conter o contrabando. Além disso, a entrada dos cigarros eletrônicos pode gerar problemas. Hoje eles são proibidos no País, mas a sua crescente popularidade entre jovens, principalmente nos EUA, pode colocar o Brasil na mira dos lobistas para a expansão do produto.

CLIMA
Descrença no aumento das temperaturas

Pesquisa do Datafolha mostrou que 15% dos brasileiros não acham que a temperatura do planeta está aumentando. Entre os entrevistados, 28% disseram não acreditar que a ação humana tem a ver com o aquecimento global. O instituto testou a questão com os que aprovam o governo de Jair Bolsonaro, cujo filho Carlos Bolsonaro recentemente duvidou do aquecimento global, questionando a sua existência em um dia de baixíssima temperatura.

JUSTIÇA
Peixes grandes na Lava Jato


Dois graúdos entraram na mira da Lava Jato. Um deles é Dario Messer (esq.), conhecido como “o doleiro dos doleiros”, preso em São Paulo com RG falso. Ele é acusado de movimentar US$ 1,6 bilhão em 52 países, e foi alvo da Operação “Câmbio Desligo”. O outro é Walter Faria (dir.), presidente do grupo Petrópolis. A PF acredita em seu envolvimento em lavagem de dinheiro, além da tentativa de repatriar uma quantia de R$ 1,3 bilhão de contas no exterior. Até a tarde da quinta-feira 1, ele estava foragido.

ATIVISMO
Greta Thunberg irá de veleiro para conferência em NY

HANNA FRANZEN

A ativista sueca Greta Thunberg, fundadora do movimento #FridaysforFuture pelo qual renuncia às aulas todas as sextas-feiras para conscientizar os jovens sobre a importância da preservação ambiental e das mudanças climáticas, anunciou que irá de veleiro para a cúpula da ONU sobre esse tema, em setembro em Nova York. Ela se recusa a viajar de avião, visto que a aeronave utiliza combustíveis fósseis que intensificam o efeito estufa. O trajeto entre a Suécia e a costa leste dos EUA, que duraria cerca de oito horas pelo ar, demorará mais de duas semanas de barco. E ela não pretende parar nessa questão: anunciou que também irá de veleiro a COP25 em Santiago, no Chile, em dezembro — ainda mais longe.