Esportes

Brasileiros para ficar de olho em Tóquio 2020: Arthur Zanetti

Crédito: Foto: Reuters

Brasileiros para ficar de olho em Tóquio 2020: Arthur Zanetti (Crédito: Foto: Reuters)


Medalhista de ouro nas argolas em Londres e prata no Rio, Zanetti chega a Tóquio em busca de sua terceira medalha olímpica. Com um currículo invejável na categoria, o brasileiro busca fazer história nos Jogos e se tornar o primeiro atleta a conquistar medalhas nas argolas em três Olimpíadas diferentes.

+ Olimpíada: Aída dos Santos eterniza pés no Hall da Fama do COB

+ André Jardine exalta potencial de criação, mas reconhece necessidade de evolução da Seleção olímpica

+ Olimpíada: Time Brasil já tem 140 atletas treinando no Japão

Três medalhas de ouro no Pan

Zanetti é soberano quando se trata de campeonatos Pan-Americanos. O brasileiro conta com três medalhas de ouro e três de prata em três edições. O ginasta também tem seis medalhas de ouro nos Jogos Sul-Americanos.

Consagração Olímpica

O ginasta brasileiro participou duas vezes dos Jogos Olímpicos, levando duas medalhas para casa. Sem sentir a pressão em sua primeira participação, Zanetti levou o ouro e por pouco não repetiu a dose em 2016. No Rio, o brasileiro ficou atrás apenas do ginasta grego Eleftherios Petrounias.

Campeão Mundial

Após seu ouro olímpico em 2012, Zanetti manteve o embalo e conquistou o Campeonato Mundial nas argolas em 2013. Zanetti ainda foi vice-campeão em três oportunidades, sendo a última delas em 2018.

Perspectiva para os Jogos

Após as Olimpíadas do Rio, Zanetti passou por uma cirurgia delicada no ombro e teve um ano de 2017 complicado. Depois de quase um ano sem competir o brasileiro retomou o alto nível, sendo vice-campeão mundial em 2018. No entanto, Zanetti foi apenas o 5° colocado no mundial de 2019.

Por conta da pandemia de Covid-19, Zanetti não disputou competições em 2020. A parada, porém, não parece ter afetado o rendimento do ginasta. Na etapa de Doha do circuito mundial, sua última competição antes dos Jogos, Zanetti foi medalhista de prata. Já testado em Olimpíadas e com uma consistência enorme na última década, o ginasta parece pronto para fazer história em Tóquio. Na busca pelo ouro ele terá que superar o grego Eleftherios Petrounias, seu algoz nos Jogos do Rio.