Esportes

Brasileiro que jogou com Kobe lembra de histórias com o astro: ‘Era líder nato’

O ex-jogador de basquete Jefferson Sobral faz parte do seleto grupo de brasileiros que dividiu quadra com Kobe Bryant, morto em acidente de helicóptero neste domingo. Em rápida passagem pelo Los Angeles Lakers, na pré-temporada da NBA de 2002/2003, Sobral colecionou histórias com a lenda do basquete.

O único atleta do País a atuar no Harlem Globetrotters hoje é auxiliar de pastor em uma igreja de São Paulo, e recebeu a trágica notícia quando chegava para um culto. Em entrevista ao Estado, Jefferson Sobral disse que ficou em estado de choque ao saber do acidente. “Foi um espanto, fiquei pasmo. O Kobe é um ícone, tem impacto mundial. Um rapaz que gosta de basquete me viu entrando na igreja e me contou. Não tive reação”, declarou.

O brasileiro fez parte de uma seletiva dos Lakers que definiria o substituto de Shaquille O’Neal, então lesionado no dedão do pé, logo após o bicampeonato da franquia na NBA. Sobral se destacou e acabou ficando para a pré-temporada, quando estreou na liga sob o comando de Phil Jackson, o treinador com mais títulos na história do basquete norte-americano.

Ao ser informado que entraria em quadra no lugar de Kobe Bryant, não acreditou. “A perna ficou tremendo, o coração veio na boca. Não tem como substituir o Kobe. Foi uma experiência única para um jogador que via aquilo como uma utopia. Eu estava ao lado de quem era a maior estrela do basquete na época”.

Sobral foi cortado dos Lakers antes da abertura oficial da temporada, mas, em sua despedida da franquia, viveu um momento inesquecível com o ídolo. Depois de recolher os pertences no vestiário, encontrou Kobe solitário na quadra, e o desafiou para uma partida de um contra um. “Let’s go, boy (Vamos lá, garoto)”, respondeu o astro.

“Ele estava treinando sozinho, para variar. Foi uma partida de dez pontos. Claro que perdi. Tomei uma enterrada e um tocaço, e falo com orgulho que tomei uma enterrada e um tocaço do Kobe Bryant. Consegui, com muita dificuldade, fazer dois pontos. Foi uma lição de um astro, de um ídolo”, contou o brasileiro.

A liderança do camisa 24 foi o que mais impactou Sobral em seu curto período no time de Los Angeles. Embora falasse pouco, o craque estimulava os companheiros a estarem em evolução constante. “Kobe era bem na dele. As ações diziam muito mais que as palavras, e a forma como ele treinava era uma motivação automática. Tinha muita dedicação, amor e entrega, e não admitia que os outros se esforçassem pouco. Puxava todos a um patamar superior, era um líder nato.”