Esportes

Brasileiro Elkeson, agora chinês, quer levar gigante asiático à Copa de 2022

O atacante nascido no Brasil, Elkeson, afirmou seu desejo de levar a China à Copa do Mundo, depois de se tornar o primeiro jogador sem ascendência chinesa a ser convocado pela seleção do país asiático.

O atleta de 30 anos, recentemente naturalizado, fará história se jogar na equipe de Marcello Lippi no duelo classificatório para a Copa do Mundo de 2022 contra Maldivas no dia 10 de setembro.

Lippi já alertou sobre uma falta de atacantes no futebol chinês, e tentou solucionar o problema com o atacante brasileiro, que vai jogar com o nome de ‘Aikesen’.

Este movimento dividiu os torcedores e os especialistas na China, um país que luta para disputar o segundo Mundial de sua história.

Mas o jogador do Guangzhou Evergrande, que já jogou no Botafogo e no Vitória, afirmou em uma carta aberta: “ter a nacionalidade chinesa me permite contribuir para que a seleção dispute de novo um Mundial”.

“Quero dizer ao mundo: comecei oficialmente uma nova viagem. Sou chinês, quero devolver todo o amor e os cuidados que vocês me deram durante anos”, acrescentou.

Elkeson já fez mais de 100 gols em quase 150 partidas no campeonato chinês.

A naturalização do atacante é parecida à que foi concedida ao meia nascido em Londres, Nico Yennaris.

O jogador do Beijing Guoan assumiu o nome chinês Li Ke e estreou na seleção do país no último mês de junho. Mas o ex-jogador do Arsenal tem origens familiares na China.

Elkeson poderá não ser o último dos jogadores naturalizados pelo país asiático, que ocupa apenas a 71ª posição no ranking da Fifa e que só disputou a Copa do Mundo de 2002, organizada por Coreia do Sul e Japão.

pst/th/iga/aam

Tópicos

BRA CHN fbl