Mundo

Brasileiro é oficializado diretor do coro da Capela Sistina

VATICANO, 22 NOV (ANSA) – O papa Francisco oficializou neste domingo (20) o monsenhor brasileiro Marcos Pavan no cargo de maestro-diretor da Capela Musical Pontifícia, nome oficial do coro da Capela Sistina.   

Seu nome foi indicado para ocupar o cargo interinamente em julho de 2019, após a saída do monsenhor Massimo Palombella depois que Jorge Bergoglio autorizou uma investigação sobre possíveis fraudes financeiras no coro, em setembro de 2018.   

Na ocasião, vaticanistas divulgaram que havia a suspeita de desvio de verbas arrecadadas com concertos. Logo depois, o Papa publicou um “motu proprio” para reformular a estrutura da Capela.   

Desta forma, desde 17 de janeiro de 2019, a Capela Musical faz parte integrante do Serviço das Celebrações Litúrgicas papais, guiado por monsenhor Guido Marini.   

Segundo o Pontífice, a escolha é para conservar e promover “o prestigioso patrimônio artístico-musical produzido ao longo dos séculos pela Capela”, considerada “um lugar de elevada expressão artística e litúrgica ao serviço das solenes celebrações”.   

Sacerdote católico, Pavan é natural de São Paulo e se tornou padre na diocese de Campo Limpo, zona sul da capital paulista.   

Em sua carreira musical, estudou técnica vocal e canto gregoriano em São Paulo e Nova York e foi membro do Coro Lírico do Theatro Municipal. (ANSA)

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Cirurgia íntima: quanto custa e como funciona
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel