Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

O brasileiro Simcha Neumark, de 33 anos, foi o primeiro infectado com Covid-19 a ser tratado em Israel com o medicamento paxlovid, da Pfizer. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Nascido em São Paulo, o economista mora em Jerusalém desde 2013 e foi diagnosticado com a Covid-19 na sexta-feira (31). Após procurar o plano de saúde dele, Simcha foi escolhido para ser o primeiro a receber o remédio no domingo (2).

“Logo após o diagnóstico, eu fiquei com uma febre muito alta, muita dor de garganta e dores de cabeça terríveis. Mas, algumas horas depois de tomar as primeiras pílulas, já senti uma melhora incrível”, contou Simcha à Folha.

“Foi um milagre de Deus. Não consigo explicar como me sinto melhor. Umas 15 horas depois eu já estava sem febre e sem dor de garganta. Um mundo completamente diferente. Para mim, ajudou demais”, ressaltou.

Casado e pai de três filhos, Simcha tem Doença de Crohn e, segundo ele, as vacinas contra Covid-19 não resultaram na criação de anticorpos por conta da doença. De acordo com o economista, ele foi vacinado cinco vezes, três em Israel e duas no Brasil.

Paxlovid

Na última semana de dezembro, o Ministério da Saúde de Israel autorizou o uso emergencial da pílula contra covid-19 criada pela empresa americana Pfizer. O remédio Paxlovid, o primeiro tratamento caseiro para o coronavírus, pode ser uma importante ferramenta na luta contra o coronavírus.

Antes do natal, a Pfizer havia anunciado que a Food and Drug Administration (FDA), o equivalente a ANVISA dos EUA, autorizou o uso emergencial do Paxlovid para os americanos. Os dados do ensaio clínico feitos pela farmacêutica mostraram que a capacidade de prevenir a hospitalização e morte provocadas pelo coronavírus chegou a 90% em pacientes com alto risco de agravamento da doença.

Conforme o jornal israelense Haartez, a FDA autorizou o medicamento oral para o tratamento dos quadros leves e moderados da covid-19 em adultos e crianças maiores de 12 anos, com peso superior a 40 kg, e que tenham alto risco de progressão para o cenário grave da doença. O novo medicamento está disponível apenas por prescrição médica e deve ser iniciado o mais rápido possível após o diagnóstico de covid-19.