Cultura

Brasileiro derruba estátua em museu de Lisboa ao tentar tirar selfie

pjimage

Um brasileiro destruiu uma estátua de 300 anos no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) em Lisboa, Portugal. O desastre aconteceu enquanto o visitante tentava tirar uma selfie com a obra.

A imprensa do país informa que o desastrado andou para trás sem olhar e não parou, mesmo após alertas de um vigilante.

+ “Filho é um inferno e atrapalha”, diz Fábio Porchat sobre não querer ser pai

A escultura barroca entitulada São Miguel está agora nas mãos da equipe de restauração do museu, segundo publicação na página do Facebook do MNAA.

Confira a íntegra na nota na página do Museu:

ESCULTURA PORTUGUESA DO SÉCULO XVIII DERRUBADA

+ Polícia aborda ambulância com sirene ligada e descobre 1,5 tonelada de maconha

Ao final desta manhã, no Piso 3-Galeria de Pintura e Escultura Portuguesas, um visitante derrubou inadvertidamente uma escultura em madeira, “São Miguel”, datada de meados do século XVIII, não tendo havido, felizmente, danos pessoais. A sala foi logo de seguida encerrada ao público e acionada a intervenção da equipa de Conservação e Restauro para avaliação dos prejuízos e da consequente intervenção. Um relatório técnico será tornado público logo que possível.

Veja também

+ A incrível história do judeu que trabalhou para os nazistas na Grécia
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela
+ Novo Código de Trânsito é aprovado; veja o que mudou
+Jovem é atropelado 2 vezes ao tentar separar briga de casal em Londrina; veja o vídeo
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel
+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês
+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Educar é mais importante do que colecionar
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea