Mundo

Brasil passa o Reino Unido e se torna o terceiro país com mais casos de COVID-19

Brasil passa o Reino Unido e se torna o terceiro país com mais casos de COVID-19

(ARQUIVO) Esta foto de arquivo tirada em 12 de abril de 2020 mostra uma bandeira brasileira sendo projetada na mundialmente famosa estátua do Cristo Redentor em meio à pandemia de coronavírus no Rio de Janeiro. - AFP/Arquivos


O Brasil, com um total de 254.220 casos, tornou-se nesta segunda-feira (18) o terceiro país com o maior número de casos confirmados de coronavírus, superando o Reino Unido, que tem quase 250.000 infectados.

Nas últimas 24 horas, o país mais afetado pela pandemia na América Latina registrou 13.540 novos casos, segundo dados oficiais, embora o número total, segundo especialistas, possa ser 15 vezes maior, devido à falta de exames.

Em apenas 72 horas, o Brasil passou a França, a Itália e a Espanha, saltando do sexto para o terceiro lugar em casos de COVID-19. Os Estados Unidos (1,5 milhão) e a Rússia (290.678) ocupam as primeiras posições.

Em número de mortos, o Brasil permanece em sexto lugar, com 16.792 mortes, 674 a mais do que as registradas até domingo no país, que tem mais de 210 milhões de habitantes.

À medida que a pandemia avança, o Ministério da Saúde é liderado provisoriamente pelo general Eduardo Pazuello, que substituiu o oncologista Nelson Teich na sexta-feira.


+ Mãe conta à polícia que ateou fogo e matou bebê por ‘vergonha’ de ter a gravidez descoberta
+ Após ameaças, soldada da PM denuncia coronel por assédio sexual
+ Youtuber é perseguido por jacaré de três metros: veja vídeo



Teich deixou o Ministério depois de apenas 28 dias no governo de Jair Bolsonaro, que descreveu a COVID-19 como “gripezinha” e defende o fim das medidas de quarentena, bem como a administração de cloroquina no tratamento da doença.

O Ministério da Saúde informou pouco depois de perder seu titular que prepara novas diretrizes para o tratamento dos infectados com o novo coronavírus.

“O objetivo é iniciar o tratamento antes que a condição piore e seja necessário o uso de uma unidade de terapia intensiva”, diz a nota, sem especificar o tratamento.

O protocolo atual do Ministério da Saúde orienta o uso de cloroquina apenas em casos moderados ou graves.

O antecessor de Teich, Luiz Henrique Mandetta, disse em entrevista publicada nesta segunda-feira pelo jornal Folha de S.Paulo que o Brasil ainda tem cerca de doze semanas “difíceis” pela frente.

Veja também

+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tenha também a Istoé no Google Notícias
+ Canadá anuncia primeira morte de pessoa vacinada com AstraZeneca no país
+ Yasmin Brunet comemora vitória de Gabriel Medina
+ Decifrado código dos Manuscritos do Mar Morto
+ Receita de panqueca americana com chocolate
+ Receita rápida de panqueca de doce de leite
+ Contran prorroga prazo para renovação da CNH
+ Receita de moqueca de peixe simples e deliciosa
+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Sucuris gigantes são flagradas em expedições de fotógrafos no MS