Edição nº2552 15/11 Ver edições anteriores

Brasil e México: sinais trocados

Brasil e México, que se enfrentam nessa segunda-feira por uma vaga nas quartas de final da Copa do Mundo da Rússia, vivem situações praticamente opostas na política e na economia. Lá, a esperança poderá derrotar o medo e o político nacionalista Andrés Manuel López Obrador, que é chamado de ‘Lula mexicano’, tem grandes chances de vencer as eleições presidenciais marcadas para domingo. Aqui, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que representa a esperança de dias melhores para a maioria do eleitorado, segue encarcerado numa cela fria em Curitiba.

O sucesso de AMLO, como López Obrador é chamado, e a tragédia de Lula passam por uma questão central: a disputa por recursos naturais e a luta por soberania. No México, o eixo central da campanha de AMLO é a defesa do petróleo mexicano para os mexicanos. Durante décadas, o país foi espoliado e o general Porfirio Diaz (1830-1915), que governou os mexicanos por mais de trinta anos, cunhou uma frase que ficou gravada na alma nacional. “Pobre México: tão longe de Deus e tão perto dos Estados Unidos”.

No modelo mexicano, o petróleo é explorado sob a forma de concessão por grandes multinacionais estadunidenses, como Exxon e Chevron, e exportado como óleo bruto para as refinarias localizadas no Texas. Depois, na forma de derivados, é importado pelos mexicanos. O resultado é um superávit comercial de US$ 15 bilhões por ano dos Estados Unidos no comércio energético entre os dois países. Enquanto os mexicanos vendem a matéria-prima, os estadunidenses exportam diesel e gasolina, com maior valor agregado.

Por isso mesmo, AMLO propõe o fim dos investimentos exploratórios no Golfo do México sob esse modelo de concessões e defende a construção de refinarias em território mexicano. Nada diferente do que o Brasil pretendia fazer depois da descoberta, no pré-sal, das maiores reservas de petróleo localizadas no século 21.

No entanto, o projeto brasileiro de desenvolvimento foi bruscamente interrompido. Tanto a presidente deposta Dilma Rousseff como a Petrobras foram espionadas pela NSA, a agência de inteligência dos Estados Unidos, na administração de Barack Obama. Pouco depois, foram criadas as condições para a derrubada de Dilma, a entrega do pré-sal e o encarceramento de Lula, cuja prisão, segundo o ministro Marco Aurélio Mello, é inconstitucional.

Em condições normais, os Estados Unidos dificilmente aceitariam a vitória de um político nacionalista como AMLO no México. No entanto, como encontraram um tesouro muito mais valioso no Brasil, generosamente cedido por uma elite entreguista, talvez a substituição do óleo do Golfo do México pelo pré-sal esteja valendo a pena. Na Copa, o Brasil é sempre favorito contra o México. Mas na luta por soberania os mexicanos estão vencendo de goleada.

Enquanto o povo mexicano retoma sua soberania, o Brasil entrega todas as suas riquezas


Mais posts

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.