Geral

Brasil e Argentina firmam acordo de cooperação em ciência e tecnologia

Os governos do Brasil e da Argentina firmaram hoje (3) um acordo para fechar parcerias nas áreas da ciência, tecnologia e inovação pelos próximos cinco anos. O documento foi assinado entre o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Produtiva da Argentina e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), ligada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

O acordo foi firmado durante a primeira reunião do Comitê Executivo Brasil-Argentina em Ciência, Tecnologia e Inovação. O memorando de entendimento estabelece o lançamento de chamadas públicas conjuntas, apoio a projetos de pesquisa, intercâmbio de pesquisadores e estudantes e a organização de seminários para promover a interação entre instituições relevantes, além de intercâmbio de informações.

O documento prevê parcerias em temas de interesse mútuo, com ênfase em energias renováveis, meio ambiente, agroindústria, bioeconomia, saúde, oceanografia, tecnologias da informação, biotecnologia e nanotecnologia, além do apoio a instituições de ciência e tecnologia e a empresas dos dois países.

Durante o encontro, foram relançadas as atividades do Centro Brasileiro Argentino de Nanotecnologia (CBAN) e feito um balanço dos 30 anos de atividade do Centro Brasileiro-Argentino de Biotecnologia (Cabbio). O projeto é uma parceria entre os dois países, com a participação do Uruguai, desde 2011. Em três décadas de atuação, já foram oferecidos 442 cursos e mais de 5 mil pessoas capacitadas pelo centro.

Veja também

+ Usado: Toyota Corolla é carro para ficar longe da oficina
+ Robert De Niro reduz limite do cartão da ex-mulher e diz que coronavírus implodiu suas finanças
+ MasterChef estreia sem "supercampeão" e cheio de mudanças
+ Gafanhotos: cidade na Bahia enfrenta invasão de insetos
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior