Brasil, 199 anos

Crédito: José Manuel Diogo

(Crédito: José Manuel Diogo)


Havia-me prometido não falar mais de política. Depois que a CPI da Covid começou deixou de haver condição para isso. Qualquer crítica se tornou acéfala e qualquer opinião inútil. Entendi que estaria apenas acrescentando ruído a um inferno desnecessitado de mais almas penadas. Falar contra ou a favor teria o mesmo efeito. Ou seja: nenhum. Quando falar é tóxico a gente deve fazer regime sem palavras.

Deixando quieta a gritaria da CPI, fui procurar as coisas positivas do Brasil. E encontrei muitas. Maravilhosos ambientes de tecnologia e inovação: financeira em São Paulo, social no Rio, integradora em Brasília, da mobilidade em Santa Catarina. Dos mais vibrantes do mundo.

Achei um agronegócio florescendo, cada vez mais moderno e melhor integrado com o setor da logística que, embora dependendo ainda da vontade do mercado, continua puxando o Brasil para cima na equação do futuro das nações. O robusto desempenho de todo o setor exportador, aliado a uma taxa alta do Selic e à recuperação da atração do investimento estrangeiro, são “culpados” de muitas boas notícias.

Topei uma geração de novos empresários olhando todo o Planeta como o território natural de seus negócios, escapando à ditadura “quatrocentona” que considerava o mercado interno como a única possibilidade de crescimento. Garantir no futuro o regresso dessa nova geração de jovens empreendedores deveria ser uma das nossas maiores prioridades e preocupações.

Devorei o extraordinário banquete que o reinaugurado museu da língua portuguesa entregou ao Mundo e nele senti a força literária, poética e económica da língua que mais falada no hemisfério sul que une uns 280 milhões de falantes na nossa casa comum.

Mas, verdadeiramente, o melhor de tudo sempre são as pessoas. As brasileiras e os brasileiros que, muitas vezes sofrendo e morrendo de abandono, sendo vítimas de um desprezo utilitário, dão constantes lições a esses políticos de quem hoje, volto a falar.

O Brasil entra no ano do seu 200º aniversário no próximo dia 7 de Setembro, mas esta data, ao invés de estar servindo a união entre todos, projetando da nossa força no mundo, melhorando a nossa imagem internacional, preparando a alegria e as celebrações bicentenário, está sendo utilizada exatamente no sentido contrário: aumentando a desunião, multiplicando o confronto e sublimando a culpa.

Talvez por isso seja novamente necessário falar de política. O próximo ano será decisivo para o Brasil.

Veja também
+Deolane Bezerra, viúva de MC Kevin, revela que fez cirurgia na vagina
+ Vídeos mostram pessoas preparando saladas com Cheetos no TikTok
+ Mulher e filho de Schumacher falam sobre saúde do ex-piloto
+ Carvão “gourmet” que não suja as mãos vira meme nas rede sociais; ouça
+ Mãe encontra filho de 2 anos morto com bilhete ao lado ao chegar em casa
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

Tópicos

Brasil

Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.