Botero: o artista que retrata gordinhos

Botero: o artista que retrata gordinhos

Artista Fernando Botero em 22 de novembro de 2017 - AFP

Em mais de cinco meses de quarentena, a ansiedade levou grande parte da população mundial a comer mais do que estava acostumada. No Brasil, estima-se que seis em cada dez brasileiros aumentaram de peso, com ganho médio de peso de 2,8 quilos. A beleza dos gordinhos é o tema central da obra de Fernando Botero, pintor e escultor colombiano que nasceu em Medelim em 1932 e começou sua trajetória como ilustrador aos 16 anos.

+ SP deve receber cinco milhões de doses de vacina chinesa em outubro, diz Doria

Seus primeiros desenhos foram de touros, paisagens e naturezas mortas. Aos 19 anos, teve vontade de ser pintor, sua mãe deixou e ele mergulhou de cabeça nesse sonho, já fazendo sua primeira exposição. Em Madri, aprendeu a técnica de afrescos e aprofundou seu conhecimento de arte, influenciado pelas pinturas renascentistas de Florença. O trabalho e os murais mexicanos de Diego Rivera também influenciaram suas preferências artísticas.

Sua primeira obra ‘boteriana’ foi um bandolim que chamava atenção pela amplitude e generosidade do traço, além as sutilezas dos detalhes. A partir desse primeiro esboço, começou a se aprimorar nos volumes. Levou quinze anos para conseguir criar seu estilo e fazer uma obra ‘Botero’ do começo ao fim. Sempre com muita humildade, diz que a criação depende de muito trabalho e, por isso, leva muito tempo para ser desenvolvida. Conseguiu ter um estilo é marcante, que possibilita a rápida identificação de suas pinturas e esculturas que, inclusive, criticam à ganância do ser humano.

Atualmente, ele é o artista que mais expõe no mundo (inclusive na China), fazendo com que seu tempo tenha que ser dividido entre Colômbia, Europa e Estados Unidos. As viagens internacionais para acompanhar suas mostras devem retomar após o período de Covid-19. Seus personagens volumosos são inconfundíveis. Suas figuras gordas, avantajadas sempre aparecem com a boca fechada, em uma releitura instigante de beleza inspirada no renascimento (leia coluna de mestres renascentistas como Botticelli). Os personagens roliços fazem parte da identidade estética do artista colombiano que já pintou de tudo um pouco: natureza morta, cenas com bailarinas, cavalos e muitas releituras de obras famosas.

 

Vários parques públicos e museus internacionais possuem suas obras, com destaque para o Museu de Antioquia, que visa despertar a arte em jovens. Botero doou 123 obras para o acervo do Museu Botero, localizado no centro histórico e cultural da cidade de Bogotá. Dentre os destaques da coleção, encontra-se “Mona Lisa” (1963), uma releitura ‘boteriana’ bem humorada e que foi inspirada na obra ícone de Leonardo da Vinci. A interpretação de Botero é muito interessante. Ele abre uma exceção ao seu estilo e reproduz o sorriso enigmático da Gioconda e mantém a posição das mãos do quadro original. Entretanto, acrescenta contornos generosos ao seu corpo, ampliando sua importância, e insere uma nova paisagem montanhosa adaptada para a realidade colombiana (notem que há um vulcão).

Sua obra satiriza personalidades, políticos, militares, religiosos, músicos e até a realeza, mostrando seu ativismo político e sua habilidade de observar os movimentos da sociedade. Explora também em seu trabalho muitos temas áridos, como a série de pinturas inspirada nas torturas da prisão de Abu Ghraib (2005), que demandaram um ano de produção para retratar as atrocidades cometidas por soldados americanos contra os prisioneiros de guerra iraquianos. “A Morte de Pablo Escobar” eterniza em uma tela de grandes proporções o momento e o local no qual o chefe do tráfico de drogas colombiano foi assassinado pela polícia ao reagir à prisão. A arte também serve para isso: despertar novos olhares da sociedade e manter viva a memória das pessoas para que episódios violentos não voltem a repetir.

Escreva para sugerir um tema ou para contar algo sobre seu artista preferido. Adoro boas histórias! Você pode me encontrar no Instagram Keka Consiglio ou no Twitter.

 

 

Veja também

+Após ficar internada, mulher descobre traição da mãe com seu marido: ‘Agora estão casados’

+ Por decisão judicial, Ciro Gomes tem imóvel penhorado em processo com Collor

+ Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante briga por pastel

+ Baleia jubarte consegue escapar de rio cheio de crocodilos na Austrália

+ MasterChef: mesmo desempregado, campeão decide doar prêmio

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arqueólogo leva 36 anos para montar maquete precisa da Roma Antiga

+ Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ O que é pior para o seu corpo: açúcar ou sal?

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea


Sobre o autor

Keka Consiglio é artista plástica, jornalista e empresária do setor de comunicação. Apaixonada por arte desde criança quando começou a estudar o tema, entregou-se de vez a esse universo ao fazer cursos e visitar museus e exposições, tanto no Brasil como no exterior. Desenvolve uma arte livre, criativa, repleta de cores e de elementos baseados em temas cotidianos, tendo a sustentabilidade presente em todo o seu processo de criação. Curiosa e motivada por desafios, vive e trabalha em São Paulo, produzindo suas coleções a partir de dois estúdios. Instagram: @keka_consiglio_artista. Site: www.kekaconsiglio.com.br


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.