Ediçao Da Semana

Nº 2742 - 12/08/22 Leia mais

A presença de Kanu na vitória do Botafogo sobre o Flamengo foi considerada como um “triunfo pessoal” por muitos setores internos do Glorioso. O zagueiro tinha um problema físico, não tinha 100% de condições para atuar dias antes da partida e passou por um trabalho intensivo para poder estar em campo por 90 minutos.

+ Cobra rara e surge ‘sorrindo’ ao ser fotografada
+ Homem mata o próprio filho após perder disputa pela guarda e comete suicídio
+ Romanos usavam urina para lavar a boca e escovar os dentes

Tudo começa por uma atividade integrada entre setores físicos, de fisioterapia e nutricional. Kanu, vale lembrar, deixou o jogo contra o Atlético-GO, em 24 de abril, ainda no primeiro tempo. O camisa 3 foi diagnosticado com um problema no músculo posterior da coxa esquerda.

O defensor ficou fora contra o Juventude, no dia 1º. Apesar de ter treinado no campo durante a semana, a presença no clássico ainda não era garantida. Por isso, o Botafogo desenvolveu um trabalho especial voltado ao jogador nos últimos dias.

Kanu trabalhou em três períodos diferentes todos os dias. Além dos treinamentos – que aconteciam na parte da manhã ou tarde, dependendo da ocasião -, o zagueiro ficava no clube para mais duas atividades. A primeira envolvia um trabalho focado em fisioterapia e fortalecimento físico.

A outra voltada para recuperação dos músculos, até mesmo para poder toda essa bateria de exercícios. O zagueiro, portanto, triplicou as atividades feitas no clube na última semana para poder estar à disposição contra o Flamengo.

A parte de nutrição também entrou em evidência. Kanu recebeu um programação de alimentação especial e teve refeições controladas nos últimos dias. Além disso, a ordem para o jogador foi de repouso total quando estivesse em casa.

O jogo de Kanu foi comemorado pelos funcionários do Botafogo internamente, que ficaram orgulhosos pelo trabalho feito com o jogador durante a semana. A atividade envolveu muitos dos setores no dia a dia do clube e teve o aval do Departamento de Futebol, que ficou à par de todas as taxas de evolução do zagueiro.