Mundo

Boris Johnson enfrenta rebelião parlamentar sobre medidas contra o coronavírus

Boris Johnson enfrenta rebelião parlamentar sobre medidas contra o coronavírus

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson - AFP

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, enfrenta nesta terça-feira (1) uma rebelião de deputados de seu próprio campo conservador, contrários às novas restrições locais previstas na Inglaterra contra o coronavírus quando o país deixar o confinamento na quarta-feira.

Alarmados com o impacto das medidas em uma economia já debilitada, dezenas de parlamentares do Partido Conservador de Johnson ameaçam votar contra o novo sistema local que deve entrar em vigor após o fim do confinamento no dia 2 de dezembro.

Apesar de a rebelião minar sua autoridade, o primeiro-ministro parece ter garantida a vitória na votação prevista para a noite na Câmara dos Comuns graças à abstenção anunciada pelo opositor Partido Trabalhista.

Principal força da oposição, os trabalhistas, que até o momento sempre apoiaram as medidas de restrição para combater a covid-19, devem abster-se pela primeira vez desde o início da pandemia com a exigência de mais ajudas financeiras a estabelecimentos comerciais, como bares e restaurantes, que deverão permanecer fechados nas zonas de alerta “muito elevado”, o maior nível em um sistema de três faixas.

Com base no sistema, quase 99% dos 56 milhões de habitantes da Inglaterra continuarão vivendo em níveis de alerta “elevado” ou “muito elevado”, com restrições que incluem a proibição de encontros com parentes e amigos em locais fechados.


+ Grávida do quinto filho, influenciadora morre aos 36 anos
+ Após assassinar a esposa, marido usou cartão da vítima para fazer compras e viajar com amante

Em uma tentativa de apaziguar os deputados conservadores descontentes, o Executivo publicou na segunda-feira um estudo sobre o impacto das novas medidas que, segundo a imprensa britânica, não convenceu muitas pessoas.

O estudo reconhece que as restrições terão “custos significativos” para a economia, mas destaca que perder o controle do vírus seria “muito pior”.

“Todos conhecemos muito bem o impacto da pandemia na economia”, afirmou o ministro de Estado, Michael Gove, à BBC, após a falência do grupo têxtil Arcadia, que emprega 13.000 pessoas, após a queda da demanda.

“Mas qual seria o efeito na economia se o sistema de saúde público entrasse em colapso?”, questionou.

O Reino Unido é o país mais afetado da Europa pelo coronavírus, com quase 58.500 mortes confirmadas.

O governo britânico e os Executivos regionais da Escócia, Gales e Irlanda do Norte, que decidem as próprias políticas de saúde, concordaram em permitir uma “trégua de Natal”, na qual o máximo de três famílias podem se reunir entre 23 e 27 de dezembro.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Boletim médico de apresentador da RedeTV! indica novo sangramento no cérebro
+ Yamaha se despede da SR 400 após 43 anos de produção
+ Cientista desvenda mistério do monstro do Lago Ness. Descubra!
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel