BolsoVac no TrumpVirus

Crédito: José Manuel Diogo

(Crédito: José Manuel Diogo)

Talvez o remédio tenha afinal outro nome: BidenVac; e que a derrota da impunidade e das mentiras na maior democracia do mundo não seja apenas uma esperança — seja também uma vacina.

Não que Joe Biden venha a ser melhor para a economia do mundo, ou traga mais cooperação à Latam ou mesmo ao Brasil — provavelmente isso até ficará igual — mas, a derrota de Trump promete uma mudança para o mundo e um aviso para os políticos que usam as notícias falsas e a ignorância do povo como arma a seu favor. O próximo palco da mudança é o Brasil.

Por isso, no aguardo que a esperança se sente de novo na cadeira do poder, podemos acreditar com alegria e alívio que outra pandemia — do vírus que na Casa Branca que usa as mentiras e o ódio como foco de infeção — possa estar terminada.

Esta “cura” deve ser olhada com muita atenção, especialmente pelos políticos brasileiros, que, na quebrada de Trump, imitaram o estilo de um chefe que agora se mostra como verdadeiramente é.

Um bastardo egocêntrico que apenas pensa em si mesmo, não cumprindo nem o mais elementar princípio básico do sistema democrático — respeitar o resultado das eleições e a vontade da maioria; e isso felizmente para o Brasil, Bolsonaro nunca fez!

Esta nova realidade política mundial coloca de novo o Brasil no centro das decisões do futuro. Mesmo tendo exagerado no apoio a Trump — mas assim é a política eleitoral — Bolsonaro tem aqui uma oportunidade de ouro para, finalmente, se mostrar um estadista e um líder de nível internacional.

Depois da derrota de Trump, vendo o jeito absurdo e surreal como ele se está recusando a abandonar o poder, o presidente Bolsonaro tem apenas duas opções.

A boa: conquistando o palco mundial, se mostrando como o Novo Dirigente que aprende com os erros dando à comunidade internacional um exemplo de sensatez e sabedoria.

A má, convidando outro supremo líder — o da Coreia do Norte, Kim Jong-un — estabelecendo os dois uma nova ONG, clandestina e conventicular, onde, na companhia de outros pequenos ditadores de repúblicas de bananas continuem a não enxergar o significado desta mudança.

A escolha é simples. Continuar a usar a força bruta contra a bondade do povo e a ignorância do povo como alvo de fake news ou tomar uma dose reforçada de BidenVac, que num país onde a oposição não consegue arrumar um líder pode bem se chamar de “Nova BolsoVac.”

Se ele entender, o povo também vai entender.

Veja também

+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

José Manuel Diogo é autor, colunista, empreendedor e key note speaker; especialista internacional em media intelligence,  gestão de informações, comunicação estratégica e lobby. Diretor do Global Media Group e membro do Observatório Político Português e da Câmara de Comércio e Indústria Luso Brasileira. Colunista regular na imprensa portuguesa há mais de 15 anos, mantém coluna no Jornal de Notícias e no Diário de Coimbra. É ainda autor do blog espumadosdias.com. Pai de dois filhos, vive sempre com um pé em cada lado do oceano Atlântico, entre São Paulo e Lisboa, Luanda, Londres e Amsterdã.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.