Bolsonaro veta Alexandre Frota na coordenação da CPMI das Fake News

Crédito: Divulgação

(Crédito: Divulgação)

A presença do deputado Alexandre Frota na coordenação da CPMI das Fake News foi vetada por Bolsonaro.

Ele foi considerado persona non grata do bolsonarismo na CPMI depois de denunciar parlamentares e blogueiros ligados ao “gabinete do ódio” do Planalto.

Mas há males que vêm para o bem. Frota pode agora se dedicar à votação do PL 2824, que vai salvar o esporte da crise. Ele é o relator da matéria.

Joice

A nova Lei das Fake News virou cabo de guerra na Câmara, que prepara-se para votar a lei aprovada no Senado. Deputados, como Joice Hasselmann, querem penas duras para quem usar notícias falsas nas redes, enquanto os bolsonaristas desejam impedir que a lei passe.

+ Menina engasga ao comer máscara dentro de nugget do McDonald’s

Filipe Barros (PSL-PR), por exemplo, diz que a lei fere a liberdade de expressão, mas a maioria acha que os bolsonaristas querem mesmo é continuar usando as redes para ataques e ainda ganhar dinheiro com isso.

Veja também

+ Gésio Amadeu, o Chefe Chico de Chiquititas, morre após contrair Covid-19

+ Funcionário do Burger King é morto por causa de demora em pedido

+ Seu cabelo revela o que você come (e seu nível socioeconômico)

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Bolsonaro veta indenização a profissionais de saúde incapacitados pela covid-19

+ Nascidos em maio recebem a 4ª parcela do auxílio na quarta-feira (05)

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.