A semana

Bolsonaro vai usar colete a prova de balas

Prontidão: Um forte esquema de segurança está sendo montado para evitar atentados na posse de Jair Bolsonaro no dia 1º de janeiro (Crédito:EVARISTO SA / AFP)

Ao ser diplomado na segunda-feira 10, o presidente eleito Jair Bolsonaro agradeceu a Deus por estar vivo. Em setembro, ao participar de um ato em Juiz de Fora (MG), ele levou uma facada desferida por Adélio Bispo de Oliveira, que atingiu seu intestino, obrigando-o a usar uma bolsa de colostomia até hoje. Informações do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI) demonstram que Bolsonaro ainda não está livre de novas ameaças e por isso monta um esquema de segurança para a posse sem precedentes. Será o maior esquema de segurança em Brasília. Haverá no evento um total de 12 mil homens, como agentes da PF, da Polícia Militar do Distrito Federal, do Exército e da Polícia Legislativa, inclusive com “snipers” ou atiradores de elite instalados estrategicamente no alto de órgãos públicos, prontos para disparar contra eventuais alvos que ameacem o novo presidente. Haverá também agentes infiltrados em meio ao público. Para evitar a entrada de armas, haverá aparelhos de raio-X no acesso das pessoas. Serão proibidos guarda-chuvas, garrafas de vidro e até carrinhos de bebês. Estima-se a presença de cerca de 500 mil pessoas na Esplanada dos Ministérios. Por conta disso, Bolsonaro foi aconselhado a mudar certos protocolos da posse presidencial. O principal deles: não deverá haver o tradicional desfile de carro aberto entre a Catedral Metropolitana e o Congresso Nacional. Costumeiramente, o veículo que é utilizado para este destile é um Rolls-Royce 1952, um presente do governo britânico. Esse carro é usado apenas na posse e no desfile cívico de 7 de setembro e em visitas de chefes de Estado. Bolsonaro até gostaria de manter a tradição, mas seus aliados, e principalmente seus filhos e sua mulher Michelle, vem dissuadindo-o da ideia. O carro será blindado e Bolsonaro estará de colete a provas de balas.

Gastos
Facada no Sistema S

REUTERS/Sergio Moraes ORG XMIT

Os cortes do governo não vão ficar restritos às autarquias, estatais e ministérios. O futuro ministro da Economia Paulo Guedes anunciou, na segunda-feira 17, em almoço com empresários na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), que o Sistema S perderá acentuados repasses. Entre as entidades atingidas estariam as de ensino profissionalizante (Senai e Senac), cultura (Sesi e Sesc) e apoio ao pequeno empreendedor (Sebrae). “Tem que meter a faca no Sistema S. Vocês acham que a CUT  perde sindicatos e aqui continua tudo igual, com almoço bom?”, afirmou. Os cortes poderão variar de 30% a 50%. Este ano, o governo repassou R$ 17,1 bilhões para o setor. O presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, indagou Guedes: “Esses 30% são apenas para as indústrias? Ou no total?” São perguntas a serem respondidas.

Justiça
O auxílio-moradia voltou

Divulgação

Com o ministro Antonio Dias Tofolli na presidência, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou na terça-feira 18 a volta do auxílio-moradia para juízes, no valor de até R$ 4.377,73, por meio de ressarcimento, caso os magistrados preencham uma série de requisitos, como o de não haver imóvel funcional à disposição, entre outras coisas. Só pode ter o benefício quem for transferido de comarca. Mesmo assim, o CNJ mostra mais uma vez que o Poder Judiciário não preza muito pela redução dos gastos públicos. No final de novembro, o Senado aprovou o reajuste de 16,38% para os ministros do STF, extensivo a todo o Judiciário, e o presidente Michel Temer sancionou a aumento, com a condição de que o ministro Luiz Fux revogasse o auxílio-moradia para os juízes. O penduricalho foi anulado, mas não durou muito. Agora, o CNJ autorizou o retorno do auxílio-moradia, alegando que não é para todo mundo. O órgão acredita que a medida vai atingir no máximo 1% dos 18 mil juízes, ou seja 180 deles. Apesar disso, o gasto afetará os cofres da União em R$ 787.991,40 por mês. Ou seja, o contribuinte pagará a conta de Vossas Excelências.

Depoimento
O mistério do motorista

Divulgação

O motorista Fabrício Queiroz, que trabalhava no gabinete do deputado Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), recém eleito senador, não compareceu ao MP-RJ na quarta-feira 19, alegando uma “crise de saúde”. Ele era esperado para apresentar sua versão para o fato de ter recebido depósitos de R$ 1,2 milhão em sua conta no ano de 2016, apesar de só receber R$ 23 mil mensais. Ele remarcou o depoimento para sexta-feira 21. Flávio diz que não fez “nada errado” e que o motorista é quem deve explicações.

Denúncia
Temer é denunciado no inquérito dos Portos

Fim de governo: Temer realizou na quarta-feira 19 a última reunião com seus ministros (Crédito:Marcos Corrêa/PR)

No apagar das luzes, Michel Temer foi denunciado pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, no inquérito dos Portos, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O presidente é acusado pela PF de ter favorecido, por meio de decreto, empresas que atuam no Porto de Santos. A denúncia, feita no último dia antes do recesso do Judiciário, foi enviada ao STF, já que até 31 de dezembro Temer tem foro privilegiado. Além dele, foi denunciado o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, o homem da mala com R$ 500 mil.

Negócios
Justiça suspende compra da Embraer pela Boeing

Na quinta-feira 20, e pela segunda vez, o juiz federal Victorio Giuzio Neto, de São Paulo, concedeu liminar suspendendo a transação entre a empresa americana Boeing e a Embraer. Acolheu ação movida por sindicatos de trabalhadores da empresa brasileira que temem ser prejudicados. Na segunda-feira 17, ficara acordado que a Boeing pagaria US$ 4,2 bilhões (aproximadamente R$ 16,5 bilhões) por 80% do setor de aviação civil da Embraer. A decisão da Justiça é provisóra. O Ministério da Fazenda deu sinal verde para a compra. Se mais uma vez a liminar cair, a última palavra, como determina a lei, será do presidente da República.

Polícia
Fim de um terrorista

Nelson Antoine/Folhapress

O destino de Cesare Battisti está traçado. O ministro do STF Luiz Fux determinou a prisão do terrorista, que foi condenado a prisão perpétua na Itália pelo assassinato de quatro pessoas, e o presidente Michel Temer assinou sua extradição. Acabará, assim, a impunidade que começou quando Lula garantiu-lhe asilo político no último dia de seu governo — Battisti estava morando na cidade paulista de Cananéia. Até a quarta-feira 19 o terrorista continuava foragido e seu nome fora incluído na lista da Interpol. Suspeitava-se de que ele estaria na Bolívia.

Território
O tesouro brasileiro da Raposa Serra do Sol

Ficou para um conselho interministerial, coordenado pelo Ministério da Agricultura, a tarefa de rever ou não a homologação da reserva indígena Raposa Serra do Sol, localizada em Roraima. Foi assinada há cerca de treze anos, tem um milhão e setecentos mil hectares (mesma dimensão do Kuwait e maior que a Jamaica) e abriga 23 mil indígenas de cinco etnias. Nessa região, estima-se que a quantidade de nióbio seja 14 vezes maior que a existente em todo o restante do planeta — trata-se de um metal leve utilizado na indústrica aeronáutica e espacial. Há também urânio, considerado material estratégico. A exploração desses minérios está paralisada. A questão é, no entanto, extremamente polêmica, uma vez que a demarcação foi referendada pelo STF.

Marlene Bergamo/Folhapress

“É a área mais rica do mundo. É possível explorá-la de forma racional.
E, no lado dos índios, dando royalties, e integrando o índio à sociedade”

Jair Bolsonaro, presidente eleito do Brasil

Surfe
O Brasil que reina na água

Na segunda-feira 17, Gabriel Medina protagonizou mais um espetáculo sobre as ondas de Pipeline, no Havaí, e conquistou o título de bicampeão mundial de surfe. Após um ano de treinamento, o paulista de Maresias, de 24 anos, surpreendeu a todos no Pipe Master, o campeonato do circuito mundial profissional de surf que fecha 2018. O ponto alto do show de Medina ocorreu durante a bateria das quartas de final, quando saiu de um “tubo” longuíssimo e difícil, no qual ficou por nada menos que cinco segundos. A vitória teve um sabor especial, principalmente por ter sido sobre o australiano Julian Wilson (por 18,34 pontos a 16,70), de quem ele perdera em 2012, fato que quase o levou a desistir da carreira. Gabriel Medina agora olha para o futuro: “Meu sonho é ser tricampeão mundial”.

Natação
Uma nova geração olímpica

Lintao Zhang/Getty Images

A equipe de natação brasileira ganhou oito medalhas no Mundial em piscina curta, de 25 m, encerrado no domingo 16 em Hangzhou, na China. Foram dois ouros e seis bronzes. Um dos destaques é o jovem Brenno Correia, 19 anos, decisivo na conquista do ouro e no recorde mundial no revezamento 4 x 200 m livre (na foto, a equipe). O paulista Brandonn Almeida, 21 anos, brilhou ao conquistar a sua primeira medalha em mundiais para adultos. As vitórias dão destaque a uma nova geração na natação brasileira — com o desafio de vencer também em piscinas olímpicas, de 50 m.

Tópicos

Bolsonaro