Cultura

Bolsonaro suspende nomeação de Sérgio Camargo à presidência da Fundação Palmares

Crédito: AFP

O presidente Jair Bolsonaro discursa durante cerimônia de promoção de generais das Forças Armadas em Brasília, 9 de dezembro de 2019 (Crédito: AFP)

O presidente Jair Bolsonaro suspendeu a nomeação do jornalista Sérgio Nascimento de Camargo para a presidência da Fundação Cultural Palmares. O ato de suspensão da nomeação de Camargo, feita em 27 de novembro, está publicado em uma edição extra do Diário Oficial da União (DOU) com data dessa quarta-feira, 11.

A escolha do nome de Camargo para o cargo foi criticada desde o início por movimentos sociais e pela classe artística em razão de declarações polêmicas do indicado. A Justiça Federal do Ceará chegou a suspender a sua nomeação para o cargo e a Advocacia-Geral da União apresentou recurso para reverter a decisão.

Entre as afirmações polêmicas, Camargo disse nas redes sociais que a escravidão foi benéfica e que o Brasil tem um “racismo nutella”. Ele se posicionou ainda contra o Dia da Consciência Negra e chegou a dizer que não daria “suporte algum” à data comemorativa.

“Claro que tem de acabar o Dia da Consciência Negra, uma data na qual a esquerda se apropriou para propagar vitimismo e ressentimento racial. Não é uma data do negro brasileiro. É uma data de minorias empoderadas pela esquerda, que propagam ódio, ressentimento e divisão racial”, disse Camargo na última terça-feira, 10.

Elogios

Ainda nesta quarta, o presidente Bolsonaro chegou a elogiar o jornalista de “excelente” em conversa com a imprensa na porta do Palácio da Alvorada. “Não vou entrar em detalhes que vocês deturpam tudo. Não tem essa história de branco, negro, todo mundo é igual. Ponto final”, declarou o presidente.

Iphan

Em outro ato também publicado em edição extra do Diário Oficial da União desta quarta, o governo está tornando sem efeito a nomeação de Luciana Rocha Feres para a presidência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A nomeação tinha sido feita na quarta mesmo pela manhã, na edição normal do DOU, quando a então presidente do Iphan, Kátia Santos Bogéa, foi exonerada do cargo. O governo não fez nenhuma nova nomeação para o posto.