Ediçao Da Semana

Nº 2743 - 19/08/22 Leia mais

O presidente Jair Bolsonaro, sem apoio do Exército para as manifestações do dia Sete de Setembro, Feriado da Independência, fez um aceno nesta quinta-feira, 26, aos policiais militares do País e disse que agradece aos que estarão de serviço no dia. “Vocês são fantásticos nesses momentos”, disse. Segundo o presidente, membros das forças de Segurança fazem parte dos protestos em sua defesa, o que, de acordo com Bolsonaro, tem garantido a ausência de pessoas infiltradas que causam desordem.

Durante transmissão semanal ao vivo, Bolsonaro afirmou que haverá uma grande manifestação pública fora do período eleitoral, fruto de movimento espontâneo da população. “Tenho certeza que tudo correrá muito bem. O que esse pessoal que nos apoia ou que tem pauta definida dentro da Constituição – é muito justo o que eles pedem: liberdade, democracia, garantia dos dispositivos – e eu queremos é paz e tranquilidade para vencermos as crises e botar o Brasil no caminho da prosperidade”, disse Bolsonaro.

“Meu norte é o que o povo quer. Não queremos nem trabalhamos por ruptura, nem sonhamos com isso. Agora, por outro lado, devemos obedecer e devemos lealdade ao povo”, afirmou. Entre os apoiadores em protestos anteriores, houve faixas em apoio à eventual intervenção militar e ao fechamento do Congresso e do Supremo.

Na última semana, governadores e setores de inteligência da Segurança Pública têm apontado o risco de atos violentos nas manifestações de simpatizantes do presidente. Os líderes estaduais ainda mostram preocupação com a politização das forças de segurança. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afastou o coronel Aleksander Lacerda de suas funções após o policial convocar “amigos” para os protestos em desagravo ao governo federal. Ainda assim, afastou a possibilidade de um motim no Estado.

Eleições 2022

Durante a transmissão, Bolsonaro também reconheceu caráter eleitoral do movimento. “Muita gente vai estar falando sobre eleições. Nós queremos eleições. A eleição renova o quadro e traz esperança para todos”, destacou. O presidente voltou pedir a adoção do voto impresso e com contagem pública. “Não é possível que o Datafolha diga que (Lula) tem 49% no primeiro turno e no segundo teria 60% para ganhar de quem fosse”, disse o presidente citando como prova de fraude a realização de eventos presenciais. “No Nordeste, acho que o evento que mais juntou gente não tinha mais de 20 pessoas”, argumentou Bolsonaro.

O Instituto Datafolha não é o único a apontar vantagem do petista caso as eleições fossem realizadas hoje. Pesquisas feitas pela XP Investimentos, banco Modalmais, banco Genial e consultoria Quaest, entre outras, também mostram vantagem de Lula.

Durante a live, Bolsonaro também reforçou críticas a membros da Justiça, e sugeriu, sem citar nomes, que há duas pessoas no Brasil ditando normas e impondo uma ditadura. Nas últimas semanas, Bolsonaro e os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, entraram em rota de colisão.