Brasil

Bolsonaro: “Óleo que atingiu praias no Nordeste não é brasileiro”

Crédito: Adema/Governo de Sergipe

Substância, de aspecto oleoso, foi encontrada em diversas praias nordestinas (Crédito: Adema/Governo de Sergipe)

O presidente Jair Bolsonaro se reuniu nesta segunda-feira (7) com ministros e comandantes das Forças Armadas, no Ministério da Defesa, para discutir o aparecimento de manchas de óleo em praias do Nordeste, de acordo com informações do G1.

Segundo a reportagem, Bolsonaro disse aos jornalistas que as manchas de óleo estão sendo “analisadas” desde o dia 2 de setembro e também afirmou que se trata de uma investigação “bastante complexa”. O presidente frisou ainda que o óleo não é produto e nem comercializado no Brasil.

“Pode ser algo criminoso, pode ser um vazamento acidental, pode ser um navio que naufragou também. Agora, é complexo. Temos, no radar, um país que pode ser o da origem do petróleo e continuamos trabalhando da melhor maneira possível”, declarou o presidente.

Os ministros Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Augusto Heleno (Segurança Institucional), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e os comandantes Edson Leal Pujol (Exército) e Antonio Bermudez (Aeronáutica) estiveram presentes presencialmente na reunião. Além deles, Ricardo Salles (Meio Ambiente) e o comandante da Marinha, Ilques Barbosa, participaram da audiência por videoconferência.

Ainda de acordo com o G1, as manchas de petróleo têm aparecido em praias nordestinas desde o início de setembro e já atingiram 132 localidades, em 61 municípios de 9 estados

Veja também

+ Toyota Corolla Cross é SUV do Corolla para brigar com Jeep Compass e cia; confira imagens oficias
+ Parque pede para pessoas para não gritarem em montanha russa , veja porque
+ Polícia vai ao SBT para procurar Dudu Camargo
+ Receita fácil de Espaguete à Carbonara
+ A “primavera das bikes” pós-pandemia vai chegar ao Brasil?
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Saiba em quais lugares o contágio pelo novo coronavírus pode ser maior