Bolsonaro: o novo inquilino de Bangu-8

Estamos assistindo as últimas semanas de Bolsonaro na Presidência da República. É bom ele “jairseacostumando” com os processos que terá de responder como principal responsável pela maior tragédia sanitária da história do Brasil. Serão centenas de demandantes na Justiça, além da União. Esta última, certamente, solicitará algum tipo de indenização frente aos pagamentos que terá de efetuar para as famílias que tiveram seus entes queridos vindos a óbito durante a pandemia. E, sem esquecer, os sequelados — e são milhares — que devem exigir da Justiça tratamento adequado como se fossem veteranos de uma guerra, a guerra da Covid-19.

As investigações realizadas no Rio de Janeiro — e que seguem lentamente — vão ser apressadas. Os indícios de graves crimes são robustos. A ligação com milicianos e o estabelecimento de negócios no momento das eleições garantindo os votos das regiões sob controle dos criminosos vão ser investigadas. Também há rumores de uma possível sociedade com a organização criminosa conhecida pela designação Escritório do Crime. Aventa-se a possibilidade de uma proximidade muito grande de Bolsonaro com o ex-capitão Adriano Nóbrega — que foi executado na Bahia — e que explica a busca de apoio do matador de aluguel quando da fuga de Fabrício Queiroz — vale recordar a foto em que aparecem juntos em um botequim a esposa de Queiroz, a mãe de Adriano e um advogado tratando de encontrar um esconderijo seguro para o gerente das rachadinhas.

Há rumores de que o presidente tem ligação com milicianos da organização criminosa chamada Escritório Crime

Sem apoio partidário — o Aliança pelo Brasil não conseguiu sequer obter 5% das assinaturas necessárias para sua legalização e o Patriotas vive uma grave crise interna —, sem apoio eleitoral — na eleição de novembro de 2020 seus candidatos foram fragorosamente derrotados nos principais colégios eleitorais do País —, sem apoio empresarial — e, neste caso, de empresários do grande capital, responsáveis, e não oportunistas que têm enorme dificuldade de explicar suas fortunas —, sem apoio das ruas — as “motociatas” reúnem, quando muito, seis mil participantes —, sem resultados significativos na economia e sem apoio das pesquisas — é o mais impopular desde Fernando Collor, tendo o segundo ano do mandato como referência —, Jair Bolsonaro caminha para o isolamento político que é o momento inicial, historicamente, do impeachment no Brasil. Antes deverá propalar inúmeras ameaças — faz parte do roteiro. Mas as instituições ainda estão fortes para resistir. Logo Bolsonaro estará de mudança: do Palácio da Alvorada para Bangu-8.


Sobre o autor

Marco Antônio Villa é historiador, escritor e comentarista da Jovem Pan e TV Cultura. Professor da Universidade Federal de São Carlos (1993-2013) e da Universidade Federal de Ouro Preto (1985-1993). É Bacharel (USP) e Licenciado em História (USP), Mestre em Sociologia (USP) e Doutor em História (USP)


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.