Bolsonaro: Nem um miado diante das torturas do INSS

Bolsonaro: Nem um miado diante das torturas do INSS

Na semana passada, o presidente do INSS foi duramente criticado pela ausência de peritos para atender a população na reabertura das agências. Está certo: o serviço público tem uma hierarquia e o primeiro a ser chamado às falas quando o atendimento falha é o responsável pelo guichê.

Se o problema se alonga, no entanto, é sinal que os chefes do chefe não cobraram uma solução. Está na hora de apontar o dedo para eles. 

Os chefes do chefe são Jair Bolsonaro e Paulo Guedes. Eles não podem mais ser poupados pelo absurdo que continua a acontecer Brasil afora. Os segurados têm suas consultas confirmadas pelos sistemas de agendamento, deslocam-se até o posto e lá descobrem que não serão recebidos, porque não há médico perito no local. Há mais de 1,5 milhão de pessoas precisando de perícia.  

+ “Filho é um inferno e atrapalha”, diz Fábio Porchat sobre não querer ser pai

Lembremos que quem vai a uma perícia está com algum problema de saúde. O deslocamento até o INSS impõe uma dificuldade a essas pessoas, mesmo sem contar outras agruras, como o uso de sistemas ruins de transporte público. 

Os peritos alegavam na semana passada que as agências não oferecem condições sanitárias adequadas para que as consultas possam ser realizadas com segurança em meio à pandemia. Começaram a perder esse discurso nesta segunda-feira, pois vistorias foram realizadas na última sexta, e havia a expectativa de que o atendimento começasse a ser regularizado. Não foi o que aconteceu. Locais onde estava prevista a presença de médicos não abriram. Outros funcionaram com menos gente que o esperado. 

Os peritos estão certos ao exigir condições adequadas de trabalho. Quando faltam ao trabalho em agências vistoriadas, ou onde alguns de seus colegas concordaram em trabalhar, mostram que também estão alheios às necessidades das pessoas comuns. 

+ Polícia aborda ambulância com sirene ligada e descobre 1,5 tonelada de maconha

Mas isso não exime o governo de agir e se pronunciar. Até agora, tudo que houve foi a ameaça de descontar do holerite dos faltantes os dias não trabalhados. Nenhum sinal de que haverá acionamento da Justiça para obrigar funcionários públicos que prestam um serviço essencial a manter algum nível de atendimento. Não está claro o motivo dessa leniência. 

Exigir de Paulo Guedes alguma sensibilidade a problemas de gente comum provavelmente é perda de tempo. Mas Bolsonaro gosta de dizer que está próximo do povo. 

O presidente pôs a cabeça do Secretário da Fazenda Waldery Rodrigues a prêmio quando se tornou público que o governo estudava congelar aposentadorias e benefícios previdenciários para bancar  um novo programa social. Ele rugiu por causa de uma maldade que estava em estudo.

A maldade nas agências do INSS tem sido cotidiana, mas quanto a isso Bolsonaro não emitiu nenhum miado até agora.

O INSS vem sendo uma esculhambação há décadas. Não há por que esperar mudanças do governo que aí está. 

 

Veja também

+ A incrível história do judeu que trabalhou para os nazistas na Grécia

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Novo Código de Trânsito é aprovado; veja o que mudou

+Jovem é atropelado 2 vezes ao tentar separar briga de casal em Londrina; veja o vídeo

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Por que não consigo emagrecer? 7 possíveis razões

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea




Mais posts

Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.