Bolsonaro erra até quando a intenção é boa; e a Covid agradece

Crédito: Uesley Marcelino

(Crédito: Uesley Marcelino)


Bolsonaro consegue errar mesmo quando a intenção é boa. Nessa história de socorrer as pessoas com R$ 600, o governo conseguiu causar a maior confusão no país.

Provocou aglomerações humanas gigantescas nas portas da Caixa, BB, lotéricas, Receita e Justiça Eleitoral, ajudando a disseminar o vírus. O presidente é um forte aliado da Covid.

A Câmara aprovou a medida emergencial no final de março e o governo regulamentou a ajuda no início de abril. É tanta burocracia que, 15 dias depois, milhões de pessoas carentes ainda não receberam um centavo.

Muitos não têm internet para fazer as contas digitais e têm dificuldades para entender as complicadas orientações.

Vem pra Caixa

Assim, o governo mandou à Caixa milhões de pessoas, que se acotovelam nas agências. Depois de horas, os funcionários da CEF despacham as pessoas para o BB, dizendo que o dinheiro está lá. No BB, informa-se que o CPF está vencido ou que o título de eleitoral não está em dia. A Covid agradece.

Saiba mais
+ Mãe de Medina compara Yasmin Brunet a ‘atriz pornô’ e colunista divulga conversa
+ Chamada de atriz pornô, Yasmin Brunet irá processar mãe de Gabriel Medina
+ Mulher divide marido com mãe e irmã mais nova: ‘Quando não estou no clima’
+ Em pose sexy, Cleo Pires afirma: "Amando essa minha bunda grande"
+ Médicos encontram pedaço de cimento em coração de paciente durante cirurgia
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.