Bolsonaro é uma espécie de Barrichello que não deu certo

Crédito: Reprodução

(Crédito: Reprodução)


Uma das maiores injustiças que os brasileiros cometem com grandes desportistas e personalidades de expressão mundial do País é com o simpaticíssimo Rubens Barrichello, ex-piloto de Fórmula 1 que é conhecido por aqui como Rubinho.

Nenhum outro piloto do Brasil alcançou tamanha longevidade na categoria mais importante do automobilismo mundial como ele. O cara pilotou uma Ferrari por 6 anos, um Honda, uma Williams, fez fortuna e há quem o chame de fracassado.

Mas o brasileiro médio só se importa com vitórias e não perde uma mísera chance de despejar inveja, recalque, ressentimento e ódio sobre aqueles que conseguem galgar degraus muito acima da média nacional. Vide a Anitta, um outro exemplo.

No Brasil, Rubinho virou sinônimo de insucesso e motivo de chacota. Bem, por aqui, até Pelé é insultado, não é mesmo? E com a massificação da internet e das redes sociais, uma infinidade de memes pejorativos é o que não falta ao ex-piloto.

Sempre que alguém chega atrasado ou descobre algo após algum tempo, ou até mesmo diz alguma coisa já dita antes, é imediatamente comparado a Barrichello, o que já se tornou uma tradição. Rubinho, ao que parece, leva na esportiva.

BOLSONARO

+ Passageira agride e arranca dois dentes de aeromoça

Após um ano e dois meses de pandemia no País e mais de 420 mil mortos depois, o verdugo do Planalto resolveu criar uma secretaria especial para cuidar da Covid. Um dia a história irá colocar este sujeito no devido lugar. Até lá, coloco eu mesmo.

Jair Bolsonaro é um desastre. Faz tudo errado e, quando tenta acertar, ou erra de novo ou acerta com extremo atraso. São os casos notórios desta tal secretaria e das vacinas. Errou em não ser rápido, errou nas escolhas e errou no “timing”.

O pai do senador das rachadinhas e da mansão de 6 milhões de reais resolveu apostar todas as fichas na vacina da Oxford/AstraZeneca, em associação com a Fiocruz, do Rio de Janeiro, e quebrou a cara. Ou melhor, quebrou nossas caras.

A fundação fluminense passa vergonha – e nos mata por isso – a cada anúncio de previsão de entrega de doses. Furou todos! Hoje, de cada sete vacinas aplicadas, apenas uma é da Fiocruz. As outras são do Butantan, a vachina chinesa do Doria.

Bolsonaro, o devoto da cloroquina, ainda não acordou para a gravidade da doença e continua com o negacionismo estúpido de sempre. Porém, por motivos eleitorais, teve de se render ao coronavírus, e ao menos mostrar algum tipo de serviço.

Alguém teve a ideia da secretaria, que não fará nada de útil e estará a serviço do obscurantismo do patrão. Mas não deixa de ser emblemático tamanho atraso. Jair mostra que é como o Rubinho dos memes, com o agravante de não dar certo em nada e ainda causar mais doença e mortes no País.

Veja também
+ Sabrina Sato mostra corpo musculoso em clique na floresta
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago



Sobre o autor

Ricardo Kertzman é blogueiro, colunista e contestador por natureza. Reza a lenda que, ao nascer, antes mesmo de chorar, reclamou do hospital, brigou com o obstetra e discutiu com a mãe. Seu temperamento impulsivo só não é maior que seu imenso bom coração.


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.